Ciência e Tecnologia
publicado em 12/11/2012 às 15h00:00
   Dê o seu voto:

Novo eletrodo 10 vezes menor promete melhorar implantes cerebrais

Tecnologia pode enviar sinais a próteses e ajudar a entender como os sinais elétricos se movem através de redes neurais no cérebro

 
tamanho da letra
A-
A+
Imagem: Takashi Kozai
Elétrodo é pequeno o suficiente para permanecer no cérebro por longos períodos, sem prejudicar o sistema imunológico, talvez captando sinais para enviar para próteses
  « Anterior
Próxima »  
Elétrodo é pequeno o suficiente para permanecer no cérebro por longos períodos, sem prejudicar o sistema imunológico, talvez captando sinais para enviar para próteses

Cientistas da Universidade de Michigan, nos EUA, desenvolveram um eletrodo fino e flexível, 10 vezes menor do que os existentes, capaz de fazer medições da atividade neural em longo prazo.

A tecnologia pode ser usada para enviar sinais a próteses e superar inflamação que eletrodos maiores causam e que danificam o cérebro.

O principal problema que os neurônios têm com eletrodos é que eles não se relacionam bem. Além de serem enormes em comparação com os neurônios, eles são rígidos e tendem a entrar em atrito da forma errada. As células do sistema imunológico os detectam como objetos estranhos e os atacam, inflamando o tecido cerebral e bloqueando a comunicação entre o eletrodo e as células.

O novo eletrodo desenvolvido pelas equipes de Daryl Kipke e Nicholas Kotov é discreto e até mesmo 'amigável' em comparação com os atuais. Ele consiste em um fio de fibra de carbono altamente condutor, revestido de plástico para bloquear sinais de outros neurônios. A almofada de gel condutor no final se 'aconchega' às membranas celulares macias, e essa estreita conexão significa que os sinais provenientes de células cerebrais são muito mais claros.

"É um enorme passo a frente. Este eletrodo tem cerca de sete microns de diâmetro, ou 0,007 milímetros, e a sua concorrente mais próxima tem cerca de 25 a 100 microns", observa Kotov.

O gel ainda 'fala a língua da célula'. Impulsos elétricos viajam através do cérebro por movimentos de íons, ou átomos com cargas elétricas, e os sinais movem-se através do gel da mesma forma. Por outro lado, a fibra de carbono reage com os íons movendo os elétrons, traduzindo o sinal do cérebro para a linguagem de dispositivos eletrônicos.

Para demonstrar quão bem o eletrodo se comunica com os neurônios reais, a equipe implantou o dispositivo no cérebro de ratos.

A espessura do eletrodo permite que ele se concentre em apenas um neurônio, e a equipe notou isso por meio dos sinais elétricos provenientes através da fibra. Eles não estavam recebendo uma confusão de neurônios em várias conversas. Além de captar sinais específicos para enviar a próteses, 'ouvir' neurônios sozinhos poderia ajudar a desvendar muitos enigmas do cérebro.

"Como esses dispositivos são tão pequenos, podemos combiná-los com novas técnicas ópticas para observar visualmente o que as células fazem no cérebro ao ouvir seus sinais elétricos. Isso pode permitir entender como o cérebro funciona em nível celular e de rede", afirma o pesquisador Takashi Kozai.

Enquanto não vemos braços biônicos no mercado, a equipe afirma que dispositivos protéticos poderiam começar a estabelecer ligações com o cérebro dentro de uma década ou mais.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Eletrodo    Sinais neurais    Neurônios    Próteses    Universidade de Michigan    Daryl Kipke   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia: Novo eletrodo 10 vezes menor promete melhorar implantes cerebrais
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria: Novo eletrodo 10 vezes menor promete melhorar implantes cerebrais


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Eletrodo    sinais neurais    neurônios    próteses    Universidade de Michigan    Daryl Kipke   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.