Geral
publicado em 09/11/2012 às 13h50:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Antonio Scarpinetti/Ascom/Unicamp
Foto: Antonio Scarpinetti/Ascom/Unicamp
Foto: Antonio Scarpinetti/Ascom/Unicamp
Público do Fórum lota Centro de Convenções durante o Fórum Permanente de Esporte e Saúde da Unicamp Palestrante Joice Neris, do Hospital Samaritano Nutricionista Rosângela Bezerra, da FCA
  « Anterior
Próxima »  
Público do Fórum lota Centro de Convenções durante o Fórum Permanente de Esporte e Saúde da Unicamp
Palestrante Joice Neris, do Hospital Samaritano
Nutricionista Rosângela Bezerra, da FCA

Para combater a ideia de que a comida de hospital é insípida e sem sabor, trabalho desenvolvido pela nutricionista Joice Neris, do Hospital Samaritano de Campinas, combate o estigma em torno das refeições hospitalares. O tema foi destaque, nesta semana, do Fórum Permanente de Esporte e Saúde da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

A experiência de Joice é que a gastronomia clínica deve associar-se a algumas técnicas da gastronomia tradicional e que elas podem ter entrada no hospital, desde que se tenha bom senso para seguir as recomendações exatas para o paciente que fica internado. Segundo ela, a gastronomia hospitalar não se trata de preparações altamente sofisticadas, mas é algo que está mais ligado à simplicidade, contribuindo para a recuperação do cliente e, como consequência, para a desospitalização.

Prato adaptado

Na opinião de Joice, o padrão vigente pode ser adaptado e garantir o mesmo sucesso que o preparo elaborado com ingredientes mais caros. O Hospital Samaritano, pensando em seu público e em pequenas adaptações, atualmente oferece inclusive pratos dirigidos a um público mais específico. É o caso de alguns pacientes que seguem certos costumes e que não pretendem abdicar deles, ainda que na internação. "O casher é um exemplo disso. Os judeus têm certos cuidados com os alimentos, que vão desde o abate dos animais até o seu preparo. Temos que respeitar os hábitos alimentares e culturais dos pacientes" , diz.

Cardápio especializado

O hospital elaborou um cardápio de opções, sobretudo por se acreditar que o paciente precisa saber que comida chegará a ele. " Isso porque antes de recebê-la já vai sentido o cheiro de comida que adentra a porta do seu quarto. Ele começa a criar uma expectativa que nem sempre corresponde à realidade" , pontua a palestrante. Hoje esse cardápio de opções é enviado ao paciente um dia antes, para fazer a sua escolha, que é digitada à noite.

Em 2001, o Hospital Samaritano começou ainda a incluir princípios da gastronomia em suas diretrizes. Até o final deste ano, estará sendo lançada a dieta pastosa. Mas há seis meses, por exemplo, já foi incluído no cardápio o prato tortelane de feijoada, buscando novidades para " pegar o paciente pelo estômago" e em eliminar o estigma da comida ruim.

O Hospital também oferta um cardápio especializado para a ala da pediatria e para acompanhantes. Com isso, sempre haverá uma opção simples e a opção de uma massa. "É claro que não vamos incluir salsichas embutidas" , informa a nutricionista. Há igualmente a dieta especializada para inapetência que, além do cardápio de opções, traz um cardápio mais alternativo, que inclui um lanche mais frio ou uma salada de macarrão, uma quesadilla de frango ou abóbora com ricota, principalmente para os pacientes que estão náuseas e alterações no paladar.

Sabores

Também são aplicadas algumas técnicas com base na gastronomia como o uso amplo de ervas para conferir sabor aos alimentos. A dieta hipossódica (que não leva sal), de acordo com Joice, é melhor aceita com a inserção de uma grande quantidade de ervas. Usa-se o sachet d'Épice, por exemplo, para ser colocado nas preparações. Há ainda o meripoix, um refogado de legumes picados misturados com cebola e alho poró, que criam um fundo para os alimentos. Esse fundo atua como um caldo de galinha ou de carne, porém sem conservantes. Além disso, há os finalizadores, que também agregam sabor aos alimentos.

Joice se declara uma incentivadora dos pratos com composição atrativa. Para isso, a sua equipe criou um book fotográfico contendo os pratos que podem ser oferecidos, que servem como um parâmetro visual. Conforme a nutricionista, para que isso tudo seja viabilizado é sempre bom acompanhar de perto a atuação do cozinheiro sugerindo o passo a passo do que se espera ao final.

Com informações da Unicamp

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Internação    nutrição    Hospital Samaritano de Campinas    Fórum Permanente de Esporte e Saúde da Universidade Estadual de Campinas    Unicamp    Joice Neris   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.