Geral
publicado em 07/11/2012 às 17h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: University of Liverpool
Professor Jerry Turnbull, envolvido no estudo
  « Anterior
Próxima »  
Professor Jerry Turnbull, envolvido no estudo

Cientistas das universidades de Liverpool e Glasgow, no Reino Unido, descobriram um possível método para reparar lesões em nervos da medula espinhal.

Com base no conceito de que a cicatrização do tecido lesado na medula cria uma barreira impenetrável à regeneração do nervo, causando a paralisia irreversível associada com lesões na coluna vertebral, os cientistas descobriram que os açúcares de cadeia longa, chamados sulfatos de heparano, desempenham um papel significativo no processo de formação de cicatrizes em modelos de células em laboratório.

Os resultados da pesquisa têm o potencial de contribuir para novas estratégias de manipulação do processo de cicatrização induzido na medula espinhal, melhorando a eficácia das terapias de transplante de células em pacientes com este tipo de lesão.

A cicatriz ocorre devido à ativação, com mudança de forma e rigidez, de células chamadas astrócitos, que são os principais suportes nervosos da medula espinhal. Uma forma possível para reparar lesões nervosas é o transplante de células de suporte a partir de nervos periféricos, chamados de células de Schwann. A equipe, no entanto, descobriu que estas células secretam açúcares de sulfato de heparano, os quais criam cicatrizes que podem reduzir a eficácia da reparação dos nervos.

A novidade apresentada agora é que este processo pode ser inibido por heparinas quimicamente modificadas, que impediriam a reação cicatrizante dos astrócitos, abrindo novas oportunidades para o tratamento.

O professor Jerry Turnbull, do University of Liverpool's Institute of Integrative Biology, afirmou que "a lesão medular é uma condição devastadora e pode resultar em paralisia permanente. Os açúcares que estamos investigando são produzidos por quase todas as células do corpo e são semelhantes à heparina utilizada para o afinamento do sangue".

"Estudos em células animais ainda são necessários, mas o interessante sobre este trabalho é que ele pode, no futuro, fornecer uma maneira de desenvolver tratamentos para melhorar a reparação de nervos, usando células Schwann do próprio paciente, suplementadas com açúcares específicos", completa Turnbull.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Açúcares quimicamente modificados    lesões na medula    sulfatos de heparano    Universidade de Liverpool    Jerry Turnbull   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.