Ciência e Tecnologia
publicado em 30/10/2012 às 07h44:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Bryan Laulicht/MIT
Curativo médico desenvolvido não causa dor ao ser removido
  « Anterior
Próxima »  
Curativo médico desenvolvido não causa dor ao ser removido

Cientistas do Massachusetts Institute of Technology, nos EUA, desenvolveram um curativo com grande capacidade de aderir à pele dos pacientes, mas que não causa dor quando é removido.

O produto tem potencial para ser aplicado em pacientes com pele sensível, como bebês prematuros e idosos.

Como outras fitas usadas no dia-a-dia, a fita adesiva médica tem um lado adesivo que adere à pele, e um suporte, que é não pegajoso e dá a fita força e resistência quando ela é retirada.

A equipe do projeto, que contou com a participação do pesquisador Robert Langer, surgiu então com uma nova fita, que incorpora uma terceira camada, imprensada entre o adesivo e o suporte não pegajoso. Esta camada do meio permite a fácil remoção do revestimento, sem causar danos à pele.

Pesquisas anteriores se concentraram em criar adesivos mais fracos. No entanto, enquanto eles são menos prejudiciais para a pele, eles não seguram os dispositivos com segurança suficiente. A nova fita adesiva existente incorpora materiais de apoio, garantindo que ela ainda seja forte e pegajosa.

A camada intermediária foi criada com um revestimento de silicone no lado em contato com a cola do curativo, o que facilita sua remoção da pele. Segundo os pesquisadores, esse forro é muito semelhante às tiras de papel liso que protege um Band-Aid, antes de uma pessoa colocá-lo na pele.

Ao retirar a camada intermediária, ela leva junto a camada externa do curativo, e deixa apenas a cola na pele, que pode ser facilmente removida com os dedos ou com água, segundo os cientistas.

Testes com papel, e em superfícies de outros modelos, os pesquisadores mostraram que a fita permanece firme no lugar até que uma pessoa tente arrancá-la, e então ela se destaca rapidamente.

"Como o adesivo e o apoio são feitos a partir de materiais já utilizados em fitas médicas, deve ser um processo simples para incrementar a fabricação da nova fita", afirmam os pesquisadores.

Segundo eles, esta é uma solução que pode ser traduzida rapidamente para a prática clínica, para imediatamente eliminar as complicações de adesivos em recém-nascidos e idosos.

Os pesquisadores entraram com pedido de patente sobre a nova fita e agora estão trabalhando para garantir a aprovação regulamentar para testes de segurança em humanos adultos.

Clique aqui para ler o abstract do estudo.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Curativo    fita médica adesiva    Massachusetts Institute of Technology    Robert Langer   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.