Geral
publicado em 29/10/2012 às 11h15:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Phill Jones/Georgia Health Sciences University
Dr. Peter B. Rosenquist, líder do estudo
  « Anterior
Próxima »  
Dr. Peter B. Rosenquist, líder do estudo

Estimulação cerebral magnética alivia sintomas da depressão sem causar efeitos colaterais como sono ou excitação comumente vistos com medicamentos antidepressivos. É o que revela estudo de pesquisadores da Georgia Health Sciences University, nos EUA.

A pesquisa revela que o sono dos pacientes fica melhor conforme a depressão melhora, mas o tratamento com estimulação em si não aumenta a sonolência ou causa insônia.

Problemas do sono são efeitos colaterais comuns de antidepressivos. Alguns medicamentos sedam os pacientes, enquanto outros estimulam e aumentam a insônia. A falta de sono ocorre em 50 a 90% dos pacientes com transtorno depressivo. Outros pacientes deprimidos queixam-se de excesso de sono.

Segundo os pesquisadores, a boa notícia é que a estimulação cerebral não contribui para a insônia ou sono excessivo.

A equipe avaliou o efeito antidepressivo da estimulação cerebral magnética em 301 pacientes resistentes a medicamentos antidepressivos. Os pacientes passaram por sessões de 40 minutos, cinco dias por semana, durante seis semanas.

A estimulação transcraniana tem como alvo o córtex pré-frontal do cérebro, envolvido na regulação do humor, bem como outras funções de ordem superior, como planejamento, avaliação e tomada de decisão.

Neste procedimento, o paciente senta-se em uma cadeira e recebe pulsos breves de uma força magnética na parte frontal da cabeça. A energia magnética faz com que as células do cérebro se aproximem da superfície do cérebro para aumentar sua atividade, que por sua vez influencia a atividade do cérebro como um todo.

Os resultados comprovaram a eficácia da estimulação sobre a depressão. "É importante para nós compreender toda a gama de efeitos de qualquer tratamento que oferecemos. Uma das coisas ruins sobre a depressão é que muitas vezes os pacientes não conseguem dormir. Este é um sintoma significativo. Se os pacientes não podem dormir, realmente isso contribui para sua aflição, e até aumenta a probabilidade de suicídio. Precisamos de tratamentos antidepressivos que os pacientes possam tolerar de modo que persistam no tratamento. Nosso estudo adiciona à evidência de que a estimulação cerebral tem poucos efeitos colaterais", afirma o autor da pesquisa Peter B. Rosenquist.

O transtorno depressivo afeta aproximadamente 14,8 milhões, ou cerca de 6,7% dos adultos norte-americanos de acordo com o Instituto Nacional de Saúde Mental. É a principal causa de incapacidade entre os 15 e 44 anos. Apesar dos números, Rosenquist admite que não está claro o que causa depressão ou exatamente como antidepressivos e outras terapias, tais como a estimulação, trabalham.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Estimulação cerebral    depressão    efeitos colaterais    antidepressivos    Georgia Health Sciences University    Peter B. Rosenquist   
Comentários:
Comentar
etel fajga szerman
postado em:
04/12/2012 23:36:34
meus assuntos:saude mental;incluindo novidades em geral.
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.