Geral
publicado em 29/10/2012 às 08h09:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Jo Mieszkowski/Imperial College London
Professora Molly Stevens (a esq.), envolvida no estudo
  « Anterior
Próxima »  
Professora Molly Stevens (a esq.), envolvida no estudo

Cientistas do Imperial College de London , no Reino Unido, desenvolveram um sensor ultrassensível que permite aos médicos detectar os primeiros estágios de doenças e viroses com a olho nu.

A equipe relata que a tecnologia de sensor visual é 10 vezes mais sensível do que os métodos atuais para detecção de biomarcadores que indicam o aparecimento de doenças tais como o câncer de próstata e infecções pelo HIV.

O dispositivo tem potencial para beneficiar países onde o equipamento de detecção sofisticado é escasso, permitindo uma detecção mais barata e simples e melhores tratamentos para os pacientes.

A pesquisa foi publicada na revista Nature Nanotechnology.

No estudo, a equipe testou a eficácia do sensor na detecção de um biomarcador chamado p24 em amostras de sangue, que indica infecção pelo vírus da Aids.

"É vital que os pacientes sejam periodicamente testados para avaliar o sucesso das terapias retrovirais e verificar se há novos casos de infecção. Infelizmente, os métodos de detecção existentes podem ser muito caros para implementação em partes do mundo onde os recursos são escassos. Nossa abordagem permite uma sensibilidade melhorada, não requer instrumentação sofisticada e é 10 vezes mais barata, o que pode permitir a realização de mais testes para rastreio de muitas doenças", afirma a pesquisadora Molly Stevens.

Os pesquisadores do estudo de hoje também testaram amostras para o biomarcador chamado antígeno específico da próstata (PSA), indicador precoce do câncer de próstata.

Segundo a equipe, o sensor pode ser reconfigurado para outros vírus e doenças cujo biomarcador específico é conhecido.

O novo sensor funciona através do exame do soro, um fluído transparente e aquoso derivado de amostras de sangue, em um recipiente descartável, e busca a presença de um biomarcador, ou p24, ou PSA.

Se o biomarcador estiver presente, mesmo em concentrações mínimas, ele faz com que nanopartículas douradas se aglutinem em um padrão irregular que torna a solução azul. Um resultado negativo as separa em forma de bolas, que geram a cor vermelha.

A equipe relata que o sensor era tão sensível que foi capaz de detectar baixos níveis de p24 em amostras de pacientes que tiveram baixa carga viral e que não podiam ser diagnosticados por meio de testes existentes.

A próxima etapa da pesquisa será buscar parceiros sem fins lucrativos para ajudar a equipe a fabricar e distribuir o novo sensor em países de baixa renda.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Sensor    Biomarcador    Aids    HIV câncer de próstata    Imperial College de London    Molly Stevens   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Sensor    biomarcador    Aids    HIV câncer de próstata    Imperial College de London    Molly Stevens   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.