Geral
publicado em 25/10/2012 às 09h48:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Rockefeller University
Michel Nussenzweig, líder da equipe de pesquisa
  « Anterior
Próxima »  
Michel Nussenzweig, líder da equipe de pesquisa

Cientistas da Rockefeller University, nos EUA, descobriram que a combinação de anticorpos é capaz de reduzir a presença do vírus HIV no organismo de camundongos por períodos prolongados.

Os resultados mostraram que o tratamento com os anticorpos teve eficácia mais duradoura que as drogas antirretrovirais convencionais.

O tratamento em fase de testes utilizou cinco potentes anticorpos monoclonais, idênticos que foram administrados em camundongos "humanizados", que dispõem de um sistema imunológico idêntico ao humano, permitindo que sejam infectados com o vírus HIV. A técnica pode evitar que novas células sejam contaminadas.

A equipe de pesquisa, liderada pelo brasileiro Michel Nussenzweig observou que, desde que foi iniciado o tratamento, a carga viral dos animais foi reduzida para níveis abaixo dos detectáveis, e assim se mantiveram por até 60 dias após o término do tratamento.

Os pesquisadores, então, compararam os resultados com cinco anticorpos com os obtidos ao tratar os animais com uma combinação de três anticorpos monoclonais e, também, com um tratamento com um único anticorpo.

Eles notaram que ao tratar os roedores com três anticorpos, o HIV se manteve em níveis baixos por até 40 dias após o fim do tratamento, enquanto o tratamento com um anticorpo só permitiu que o vírus não fosse detectado durante o tempo em que o camundongo estava recebendo o tratamento, o que foi cerca de duas semanas.

Os resultados mostraram que tanto a terapia com anticorpos quanto as drogas antirretrovirais foram eficazes em manter a carga de vírus em níveis baixos. No entanto, os pesquisadores notaram que quando o tratamento chegou ao fim, o vírus voltou a proliferar em poucos dias nos indivíduos tratados com medicamentos. Os animais que estavam recebendo os anticorpos, porém, permaneceram sem sintomas por mais tempo.

Os cientistas ressaltam que, apesar dos resultados, ainda são necessários testes clínicos que permitam avaliar a eficácia do tratamento em humanos e medir os efeitos sobre a infecção em longo prazo.

O trabalho foi publicado na revista Nature.

Veja mais detalhes sobre esta pesqusia (em inglês).

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Superanticorpos    combinação de anticorpos    AIDS    HIV    antirretrovirais    Rockefeller University    Michel Nussenzweig   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.