Geral
publicado em 24/10/2012 às 08h01:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Reed Hutchinson/UCLA
Imagem: ESRF-LMU/Emmanuel Brun
Foto: Reed Hutchinson/UCLA
Jianwei (John) Miao (sentado/camisa verde), junto a sua equipe de pesquisa Tumor de mama (vermelho) em 3D Jianwei (John) Miao, líder da pesquisa
  « Anterior
Próxima »  
Jianwei (John) Miao (sentado/camisa verde), junto a sua equipe de pesquisa
Tumor de mama (vermelho) em 3D
Jianwei (John) Miao, líder da pesquisa

Cientistas da Universidade da Califórnia, nos EUA, desenvolveram uma nova técnica capaz de produzir imagens 3D do tecido mamário duas a três vezes mais nítidas do que as atuais tomografias computadorizadas.

A abordagem oferece ainda uma menor dose de radiação aos pacientes e médicos em comparação com as mamografias convencionais.

"A mamografia depende de imagens bidimensionais. Isso pode ajudar a explicar por que 10 a 20% dos tumores de mama não são detectados na mamografia. A tomografia computadorizada também é tridimensional, mas não é considerada útil para a detecção do câncer de mama, uma vez que requer uma maior dose de radiação do que a mamografia", afirma o pesquisador Jianwei Miao.

Para melhorar a detecção do câncer de mama, Miao e seus colegas desenvolveram uma nova forma de visualizar a doença em três dimensões com uma dose de radiação um pouco menor do que nas mamografias atuais.

Para desenvolver a nova técnica, a equipe combinou um tipo de imagem de raios-X com um método de reconstrução de imagem conhecida pelos cientistas como "tomografia igualmente inclinada".

Uma razão pela qual a técnica pode ser melhor para a detecção é que ela mede a diferença na maneira como os raios-X oscilam através do tecido mamário normal em comparação com o tecido com câncer.

Cinco radiologistas independentes avaliaram o método. Eles descobriram que ele pode reduzir a dose de radiação em cerca de 74% em comparação com os métodos convencionais. Ele produziu imagens com a mais alta qualidade em comparação com imagens 3D de tecidos mamários capturados através de outros métodos padrão.

"Antes de nossa técnica estar disponível, precisamos de uma fonte de raios-X mais avançada. O equipamento para essa fonte está disponível somente em laboratórios de pesquisa. A fonte de raios-X deve ser menor para que possa caber facilmente em um quarto de hospital ou clínica. Pode levar uma década ou mais antes que a técnica 3D esteja clinicamente disponível", conclui Miao.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Imagem 3D    Câncer de mama    Radiação    Raios-X    Universidade da Califórnia    Jianwei Miao   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Imagem 3D    câncer de mama    radiação    raios-X    Universidade da Califórnia    Jianwei Miao   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.