Geral
publicado em 23/10/2012 às 11h28:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Roger Winstead / NC State
Químico Christian Melander (a esq.), responsável pelo estudo
  « Anterior
Próxima »  
Químico Christian Melander (a esq.), responsável pelo estudo

Pesquisadores da North Carolina State University, nos EUA, aumentaram a potência de um composto que reativa a ação de antibióticos contra a bactéria Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA), uma forma resistente de Staphylococcus que é difícil de tratar.

O aditivo elimina a resistência das bactérias aos antibióticos e permite que o medicamento se torne mais uma vez eficaz a níveis de dosagem normais.

O pesquisador Christian Melander já havia mostrado a eficácia do composto 2-aminoimidazole na reativação de antibióticos contra estirpes bacterianas resistentes. No entanto, o composto original não era potente o suficiente.

No novo trabalho, Melander e seus colegas descobriram uma forma de aumentar a potência desse composto. A pesquisa os coloca a um passo da realização de testes in vivo.

É possível medir a eficácia de antibióticos pelo número de bactérias que crescem na presença dele. A concentração que normalmente desejamos usar é de cerca de um micrograma por mililitro ou menos do antibiótico para impedir o crescimento bacteriano. Nesse ponto, a estirpe bacteriana é considerada susceptível a e tratável por este antibiótico. Se uma maior concentração de antibiótico é necessária para impedir o crescimento de bactérias, a estirpe bacteriana em questão é considerada intratável. "Algumas das estirpes de MRSA com as quais trabalhamos exigem 512 microgramas por mililitro do antibiótico para controlar o crescimento, ou seja, 500 vezes acima do limite. A adição do nosso composto reduziu o nível para um micrograma por mililitro de novo", explica Melander.

O composto funciona eliminando a capacidade da bactéria para montar uma defesa contra o antibiótico.

Quando os antibióticos interagem com a Staphylococcus, os receptores na superfície do patógeno identificam o antibiótico como uma ameaça e as bactérias podem então escolher o que fazer para sobreviver. A MRSA ou cria um biofilme ou sofre mudanças genéticas que impedem que o antibiótico perturbe sua estrutura celular.

De acordo com Melander, o composto torna a bactéria incapaz de reconhecer o antibiótico como uma ameaça, essencialmente impedindo o processo defensivo antes que ele possa começar.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
MRSA    resistência a antibióticos    bactéria resistente    aditivo    North Carolina State University    Christian Melander   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.