Geral
publicado em 17/10/2012 às 14h13:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Pesquisa da Universidade de São Paulo (USP) verificou que o adiamento da maternidade pode ser fonte de diversas angústias para as mulheres, visto que elas não têm total controle de quando conseguirão se tornar mães.

A constatação faz parte do estudo da psicóloga Maria Galrão Rios Lima. Segundo ela, apesar de avanços médicos e científicos na área da inseminação artificial, por exemplo, ainda não é simples a tarefa de ter um filho. " O controle nunca é total" , ressalta. Além disso, os procedimentos que a medicina oferece, normalmente, são muito invasivos.

O trabalho intitulado "Um estudo sobre o adiamento da maternidade em mulheres contemporâneas" entrevistou oito mulheres que, por opção própria, decidiram ter filhos apenas após os 35 anos. Entre as entrevistadas, metade obteve sucesso e outra metade ainda está no processo de tentativas. O sofrimento vivenciado por aquelas que não conseguiram ser mães vem da decepção e do sentimento de fracasso.

Maria acredita que o principal aspecto de sua pesquisa é a tentativa de quebrar a ideia de onipotência nesse caso. " Não dá para ter filhos a qualquer momento" . Ela diz, ainda, que o adiamento da maternidade não é uma patologia, um problema a ser tratado. Porém, ele carrega um potencial de sofrimento para a mulher.

Durante o levantamento para a pesquisa, foram mais relatadas as procuras por uma vida conjugal ideal e pela estabilidade financeira. A psicóloga explica que muitas daquelas que ainda não conseguiram se tornar mães mostram ressentimentos em relação ao adiamento.

A sensação de impotência nessa situação se contrapõe, segundo a psicóloga, a " uma idealização de que a mulher, nos dias atuais, pode e deve conseguir fazer tudo: ter uma carreira, um bom casamento, viajar, comprar carro e apartamento e depois ter um filho" .

Em geral, os maridos das mulheres ouvidas na pesquisa são divorciados e mais velhos. Eles abraçam a ideia de adiar a maternidade e " curtir a vida" . Porém, em dois dos casos, foi por pressão do homem que a mulher, antes sem interesse de ser mãe, decidiu ter filhos.

Com informações da USP

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Maternidade    Angústia    Psicologia    Casamento    Gravidez    USP    Universidade de São Paulo   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
maternidade    angústia    psicologia    casamento    gravidez    USP    Universidade de São Paulo   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.