Geral
publicado em 07/10/2012 às 15h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Cientistas da Universidade de Munique, na Alemanha, descobriram como criar novos neurônios a partir de outro tipo de célula adulta encontrada no cérebro.

A pesquisa representa um passo importante no tratamento de doenças que alteram o funcionamento do cérebro, como Alzheimer e Parkinson.

Grande parte da investigação que visa criar novas células cerebrais foca na utilização de células estaminais e adultas a partir de outras partes do corpo e na reprogramação delas para formar novas células cerebrais e, em seguida, implantá-las no cérebro.

Agora, a equipe, liderada por Benedikt Berninger, descobriu uma maneira de criar novos neurônios a partir de células que já estão no cérebro.

"O principal objetivo que temos em mente é que esta abordagem pode, no futuro, nos permitir induzir a conversão dentro do próprio cérebro e, assim, proporcionar uma nova estratégia para reparar o cérebro lesado ou doente", afirma Berninger.

Berninger e seus colegas se cocentraram na em células chamadas de pericitos. Estas células se encontram perto de vasos sanguíneos no cérebro e ajudam a manter a barreira hemato-encefálica, que impede as bactérias e o material indesejado de passar da corrente sanguínea para o cérebro.

Em outras partes do corpo, pericitos ajudam na cicatrização de feridas, o que chamou a atenção da equipe.

Os pesquisadores queriam saber se atacassem essas células e as transformassem em células nervosas, eles poderiam aproveitar essa resposta no tratamento de lesões.

Eles conseguiram transformar pericitos adultos presentes no cérebro humano em células com característica de neurônio com a ajuda de dois genes, Sox2 e Mash1.

"Mostramos que as células do córtex cerebral humano adulto que expressam características de pericitos podem ser reprogramadas em células neuronais", afirma Berninger.

A equipe utilizou um método chamado "mapeamento de destino genético" em camundongos para confirmar que as novas células cerebrais tinham se originado de pericitos.

Quando eles testaram as novas células para ver de perto como elas se assemelhavam a neurônios, eles descobriram que elas podiam produzir pulsos elétricos e se comunicar com outros neurônios, duas características importantes para ser capaz de integrar redes neurais.

"Ainda existe um longo caminho a percorrer antes que essa abordagem funcione em um tecido vivo, mas mesmo assim, este é um passo importante na busca de uma nova forma de fazer as células do cérebro", concluem os pesquisadores.

A pesquisa foi publicada na revista Cell Stem Cell.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Neurônios    Células adultas    Alzheimer    Pericitos    Universidade de Munique    Benedikt Berninger   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Neurônios    células adultas    Alzheimer    pericitos    Universidade de Munique    Benedikt Berninger   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.