Geral
publicado em 19/09/2012 às 20h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Ilustração: Ana Cláudia Ferreira
Bactéria Mycobacterium leprae (detalhe) é a causadora da hanseníase.
  « Anterior
Próxima »  
Bactéria Mycobacterium leprae (detalhe) é a causadora da hanseníase.

Novo método de diagnóstico da hanseníase, baseado na percepção de calor e frio, está sendo empregado na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) pelo neurofisiologista clínico Manoel de Figueiredo Villarroel. O objetivo é diagnosticar a hanseníase logo em seu estágio inicial, aumentando a chance de cura dos pacientes antes de qualquer comprometimento dos nervos.

O novo exame utiliza versão adaptada de um aparelho israelense usado no estudo de doenças que afetam os nervos. Consiste na chamada Placa de Peltier, formada por semicondutores e ligada a um sistema computadorizado. O arranjo permite que a placa esquente ou esfrie de acordo com a direção da corrente elétrica aplicada.

Segundo o pesquisador, " em uma lesão de pele, como um dos primeiros sinais de hanseníase é a perda de sensibilidade à temperatura, pode-se, com esse método, quantificar a perda da sensibilidade térmica e dolorosa. Dessa maneira é possível determinar como está a percepção do paciente suspeito de ter a doença" , explica. A perda de sensibilidade é traduzida em números, que podem ser usados futuramente para comparações.

Para realizar o teste, o estimulador térmico é colocado sobre a lesão de pele suspeita do paciente, e vai esquentando ou resfriando com o tempo. Quando o paciente sente a alteração da temperatura, interrompe o exame. O mesmo procedimento é repetido na pele normal, quando então é feita a comparação. " Se a percepção do calor ou frio afasta-se muito do normal, a chance do paciente estar com a doença é muito alta" , afirma o autor da tese. " Aqueles com hanseníase não percebem o calor até cerca de 50º, nem o frio até cerca de 0º, enquanto o normal seria a percepçãodo calor até 36º e sensação do frio até 28º" .

O pesquisador acompanhou, por cinco anos, 108 pacientes de diferentes unidades de atendimento na capital mineira, Belo Horizonte. Dessa forma, pôde comprovar que esse teste apresenta sensibilidade muito superior que o tradicional, que avalia a sensibilidade pelo tato.

O instrumento utilizado ainda é caro, mas já existe um esforço para barateá-lo. " Existem pesquisas em São Paulo e no Programade Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (Engenharia Biomédica) da UFMG, para compactar e reduzir os custos do aparelho, possibilitando a produção em massa e a preço mais acessível" , afirma Villarroel.

Com informações da UFMG

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Hanseníase    Diagnóstico    Placa de Peltier    UFMG    Universidade Federal de Minas Gerais    Dermatologia   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
hanseníase    diagnóstico    Placa de Peltier    UFMG    Universidade Federal de Minas Gerais    dermatologia   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.