Profissão Saúde
publicado em 12/09/2012 às 13h09:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: UN Photo/Nadine Kaddoura
Mais de 50% dos médicos deixaram Homs
  « Anterior
Próxima »  
Mais de 50% dos médicos deixaram Homs

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que mais de 40 hospitais públicos e privados foram danificados durante os conflitos na Síria. Combates estão danificando hospitais e postos de saúde do país, o que está prejudicando o socorro à população. Cerca de 25 postos foram completamente destruídos na cidade de Homs.

O Hospital Nacional de Homs, com 350 leitos, foi completamente danificado. No local, somente 14 instalações de saúde estão operando normalmente.

Segundo a OMS, o maior problema é a superlotação das unidades de saúde e a falta de medicamentos de primeiros socorros. Não há remédios para doenças crônicas e nem vacinas.

Um porta-voz da agência disse que a ausência de profissionais qualificados tem dificultado o atendimento. Pelo menos 50% dos médicos de Homs deixaram a cidade.

Segundo relatos recebidos pela OMS, apenas três cirurgiões permanecem na região. Os postos de saúde e hospitais estão sendo operados por voluntários que não têm treinamento médico.

Com o corte de fornecimento de água potável e a destruição das redes de saneamento básico, aumentou o risco de contaminação e doenças.

A OMS acredita que pelo menos 550 mil pessoas estão precisando de ajuda urgente em Homs.

A chefe da área de cooperação internacional e de ajuda humanitária da União Europeia, Kristalina Georgieva, disse hoje (12) que cerca de 3 milhões de sírios precisam de assistência alimentar. Segundo ela, essas pessoas não estão conseguindo receber alimentos. De acordo com Kristalina, a intensificação dos combates impede a ação humanitária. Ela apelou para que o governo e a oposição sírias cooperem e respeitem as leis de guerra.

A representante da União Europeia apelou ao governo sírio e à comunidade internacional. Segundo ela, é necessário pressionar o presidente sírio, Bashar Al Assad, e a oposição para respeitarem as leis da guerra, a fim de preservar a vida dos civis e não disparar contra ambulâncias. Ela ressaltou também que é fundamental garantir a evacuação das áreas onde há feridos e autorizar o ingresso da ajuda humanitária nas regiões de conflitos.

Há 18 meses, a Síria está sob clima de guerra. Cerca de 25 mil pessoas morreram, segundo organizações não governamentais (ONGs). Os conflitos começaram a partir de exigências da oposição para a renúncia de Assad, a abertura política e o fim das violações de direitos.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Síria    Conflitos    Hospitais    Organização Mundial da Saúde    OMS    Homs   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Síria    conflitos    hospitais    Organização Mundial da Saúde    OMS    Homs   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.