Profissão Saúde
publicado em 31/08/2012 às 10h27:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Pesquisa mostra que apenas 3 em cada 100 médicos associados da SOGESP (Associação de Obstetrícia de Ginecologia do Estado de São Paulo) que atendem na saúde suplementar não apontam pressões dos planos de saúde no exercício da medicina. Os outros 97 afirmam que tem, sim, percepção de interferências, sendo que praticamente 6 em cada 10 denunciam alto grau de interferência - notas 4 e 5 em uma escala de 1 a 5.

O levantamento, realizado pelo Datafolha a pedido da SOGESP mostra que, segundo a classe, "está se tornando inviável prestar serviço aos convênios, particularmente em virtude da interferência na prática médica." A pesquisa foi divulgada ontem (30) durante o XVII Congresso Paulista de Ginecologia e Obstetrícia.

Entre os quatro tipos de interferências avaliados, 88% dos médicos associados destacam glosa a procedimentos ou medidas terapêuticas; 80% reclamam de interferência em atos diagnósticos e terapêuticos mediante a designação de auditores.

Mais um número alarmante: 6 em cada 10 que atendem planos apontam pressões quando o procedimento indicado é a internação e também no período de pré-operatório; ou seja, um risco à prática segura da medicina, à saúde e à vida de muitas pacientes e de seus bebês.

Na opinião da grande maioria dos médicos associados, 93%, as operadoras de planos de saúde também dificultam a realização de exames e procedimento de alta complexidade.

Para piorar o quadro, apenas 12% consideram a qualidade dos serviços oferecidos pelas operadoras de saúde, como ótima ou boa. Entre o restante, 47% avaliam como ruim ou péssima e 41%, como regular.

Abandono à obstetrícia - Em outra fase da pesquisa, que desenha o perfil dos tocoginecologistas da SOGESP, um dado gravíssimo: 13 % anunciaram que já deixaram de exercer a obstetrícia, devido, em especial, aos baixos honorários e a obrigatoriedade de disponibilidade em período integral. O dado, aliás, apenas explicita o que já era sabido na especialidade e vem reforçar a relevância da luta atual da SOGESP por remuneração pela disponibilidade ao parto.

Outra estatística reveladora evidencia que o médico associado dedica em média, 55 horas SEMANAIS ao exercício da especialidade. Vale notar que entre os médicos que atuam em ambas as áreas, ginecologia e obstetrícia, a carga horária média, é mais elevada, 57 horas SEMANAIS.

Para a pesquisa, foram realizadas 451 entrevistas distribuídas no Estado de São Paulo. A margem de erro máxima para o total da amostra é de 4,0 pontos percentuais, para mais ou para menos, considerando um nível de confiança de 95% e um universo de 5.388 médicos. O campo aconteceu entre os dias 25 e junho e 6 de julho de 2012.

Com informações da SOGESP

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
interferência no exercício da medicina    planos de saúde    Sogesp    Datafolha    convêncios médicos   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.