Geral
publicado em 30/08/2012 às 17h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: ITG
Foto: ITG
Linda De Vooght em laboratório passando a bactéria Sodalis glossinidius para uma cultura especial Imagem mostra a bactéria Sodalis glossinidius
  « Anterior
Próxima »  
Linda De Vooght em laboratório passando a bactéria Sodalis glossinidius para uma cultura especial
Imagem mostra a bactéria Sodalis glossinidius

Cientistas do Antwerp Institute of Tropical Medicine, na Bélgica, descobriram uma bactéria que, quando modificada em laboratório, é capaz de produzir anticorpos contra o parasita que causa a doença do sono.

A pesquisa pode levar a um novo e mais eficaz tratamento contra a doença causada por tripanossomas, parasitas transmitidos pela picada da mosca tsé-tsé.

A Organização Mundial de Saúde estima o número de mortes anuais pela doença entre 10 e 20 mil pessoas. Sem tratamento, a infecção é fatal.

Em uma fase avançada da doença, o chega ao cérebro e ultrapassa a barreira sangue-cérebro que impede a entrada da maioria das drogas. Compostos de arsênio podem ultrapassar a barreira e matar o parasita, mas também matam 5% dos pacientes.

Além do parasita, algumas estratégias também podem atacar seu vetor, a mosca tsé-tsé. Mas inseticidas podem ser prejudiciais para o meio ambiente, com certeza, a longo prazo. Por isso os cientistas procuram estratégias alternativas.

Pensando nisso, os pesquisadores focaram o estudo na bactéria sodalis glossinidius residente nas moscas tsé-tsé e que pode ser cultivada em laboratório.

Linda De Vooght e seus colegas modificaram geneticamente a bactéria de modo que ela produzisse, e excretasse, um tipo muito eficaz de anticorpo, denominado nanocorpo.

Eles identificaram duas vias secretoras diferentes que transportavam os nanocorpos para fora da bactéria. A pesquisa mostrou que a bactéria não foi prejudicada pela modificação, sendo assim, ela pode ser inserida novamente na mosca.

Utilizando antibióticos, De Vooght eliminou as bactérias selvagens das moscas tsé-tsé e substituiu pelas bactérias modificadas. Elas colonizaram as moscas com sucesso e começaram a produzir nanocorpos. Os nanocorpos também estavam presentes no intestino, onde o parasita da doença do sono também pode ser encontrado.

Segundo os pesquisadores, a técnica é viável, mas ainda necessita de algum desenvolvimento antes de poder ser utilizada para controlar a doença do sono na prática clínica.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Doença do sono    bactéria    anticorpo    nanocorpo    Antwerp Institute of Tropical Medicine    Linda De Vooght   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.