Ciência e Tecnologia
publicado em 30/08/2012 às 09h53:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Reprodução: University of Missouri
Foto: University of Missouri
Mark W. Lee Jr. durante processo de investigação em laboratório Mark W. Lee Jr., líder do estudo
  « Anterior
Próxima »  
Mark W. Lee Jr. durante processo de investigação em laboratório
Mark W. Lee Jr., líder do estudo

Pesquisadores da Univesity of Missouri (UM), em Columbia (EUA), descobriram que ao adicionar uma nova estrutura química à drogas já usadas no combate à certos tipos de câncer é possível criar a arma mais potente e eficiente contra a doença.

"Durante a última década, temos visto um interesse crescente na utilização carboranos na confecção de drogas", disse Mark W. Lee Júnior, professor assistente de química do College of Arts and Science (UM). "Carboranos são grupos de três elementos de boro, carbono e hidrogênio. Eles não combatem o câncer diretamente, mas ajudam na capacidade de um fármaco para se ligar mais fortemente ao seu alvo, criando um mecanismo mais potente para a destruição das células cancerosas."

No estudo, Lee e sua equipe de pesquisa usaram carboranos para construir novas drogas que desligam a produção de energia em células cancerosas. Ao aumentar a força de ligação de uma droga é possível realizar o tratamento com uma dose menor , minimizando os efeitos colaterais e aumentando a eficácia da terapia. Com carboranos, Lee descobriu que este processo pode ser potencializado em até 10 vezes.

"A razão por que essas drogas se ligam mais forte em seu alvo é porque carboranos exploram uma forma única e muito forte da ligação de hidrogênio, a forma mais forte de interações de drogas", afirmou o presidente.

Segundo os pesquisadores, a descoberta também irá conduzir a novas utilizações para a droga. "Muitas vezes, após a radiação ou quimioterapia, as células cancerosas reparam-se e voltam a invadir o corpo. Esta droga não só fecha seletivamente a produção de energia para as células cancerosas, mas também inibe os processos que permitem que as células cancerosas se reparem. Realizamos testes em casos de câncer no pulmão, mama e cólon, todos com resultados excepcionais," afirmou Lee.

De acordo com ele, este é o primeiro estudo a mostrar sistematicamente como carboranos podem melhorar a atividade de uma droga. Lee acredita que esta descoberta abre possibilidades adicionais para melhorar as drogas que são utilizadas para o tratamento de outras doenças, e não apenas de câncer. "O resultado final é que estes novos medicamentos podem ser milhares de vezes mais potentes do que os fármacos que são utilizados hoje em dia."

Estudos com outros tipos de câncer já estão em andamento e os testes clínicos com o novo medicamento devem começar dentro dos próximos dois anos.

Veja o Abstract do estudo

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
câncer    carboranos    droga 10 vezes mais potentes contra câncer    efeitos colaterais    carbono e hidrogênio    W. Mark Lee Jr    da Universidade de Missouri   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.