Geral
publicado em 24/08/2012 às 14h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Pesquisadores da Purdue University, nos EUA, criaram um novo biossensor capaz de detectar concentrações mínimas de glicose na saliva, lágrimas e na urina.

A tecnologia, que tem potencial para melhorar o diagnóstico e o tratamento do diabetes, pode ser fabricada a baixo custo uma vez que não exige passos de processamento muito complexos.

"É uma maneira não invasiva para estimar o teor de glicose no organismo. Como o dispositivo pode detectar glicose na saliva e nas lágrimas, ele pode, eventualmente, ajudar a eliminar ou reduzir a frequência do uso de agulhadas para testes de diabetes. Estamos provando sua funcionalidade", afirma o pesquisador Jonathan Claussen.

O sensor tem três partes principais: as camadas de nanofolhas que lembra pequenas pétalas de rosa feitas de um material chamado grafeno; nanopartículas de platina e a enzima glicose oxidase.

Cada pétala contém algumas camadas de grafeno empilhadas. As bordas das pétalas têm ligações químicas incompletas onde as nanopartículas de platina podem ser anexadas.

Eletrodos são formados pela combinação das nanofolhas e das nanopartículas de platina. Em seguida, a glicose oxidase se liga às nanopartículas de platina. A enzima converte a glicose em peróxido, gerando um sinal no eletrodo.

Além de testar para o diabetes, a tecnologia pode ser usada para a detecção de uma variedade de compostos químicos envolvidos em outras doenças. "Nós usou a enzima glicose oxidase neste trabalho, e criamos o biossensor voltado para o diabetes. Mas poderíamos simplesmente trocar a enzima para detectar condições médicas como Parkinson e Alzheimer", afirma Claussen.

A tecnologia é capaz de detectar glucose em concentrações tão baixas como 0,3 micromolar, muito mais sensíveis do que outros biossensores eletroquímicos baseados em grafeno ou grafite, nanotubos de carbono e nanopartículas metálicas.

O dispositivo ainda é capaz de distinguir entre a glicose e os sinais de outros compostos que normalmente causam interferências em sensores: ácido úrico e ácido ascórbico, que são normalmente encontrados no sangue.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Diabetes    Glicose    Saliva    Lágrimas    Biossensor    Purdue University    Jonathan Claussen   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Diabetes    glicose    saliva    lágrimas    biossensor    Purdue University    Jonathan Claussen   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.