Profissão Saúde
publicado em 17/08/2012 às 21h32:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: CFM
Nos dois dias do congresso, médicos e juristas analisaram aspectos jurídicos da medicina, como a reforma do Código Penal e sua relação com a atividade profissional
  « Anterior
Próxima »  
Nos dois dias do congresso, médicos e juristas analisaram aspectos jurídicos da medicina, como a reforma do Código Penal e sua relação com a atividade profissional

As mudanças polêmicas na legislação do novo Código Penal Brasileiro na área da saúde foram tema de debate durante o III Congresso Brasileiro de Direito Médico do Conselho Federal de Medicina (CFM), promovido nos dias 14 e 15 de agosto, em Curitiba (PR). O desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), José Muiños Filho, fez parte da comissão de juristas que trabalhou nas proposições da reforma. Segundo ele, a idealização era que " nenhum tabu nortearia nosso trabalho" .

O desembargador discorreu sobre a proposta da nova legislação, que permite a ortotanásia, discussão já avançada pelos Conselhos de Medicina, inclusive contemplada no Código de Ética da categoria. A eutanásia continua sendo crime, com pena prevista de prisão de dois a quatro anos. Com a nova proposta, o juiz pode deixar de aplicar a pena avaliando as circunstâncias do caso, bem como a relação de parentesco ou os laços do agente com a vítima.

Aborto

A ampliação das regras para que a mulher possa interromper a gravidez sem que a prática seja considerada crime foi um dos temas mais aguardados no III Congresso de Direito Médico. A análise foi realizada pelo desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo, Marco Antônio Marques da Silva. " Vivemos outra sociedade, outra realidade diferente daquele outro Código" , apontou.

O Código em vigência só permite a interrupção da gravidez em caso de estupro ou de a mãe correr risco de morrer, além de anencefalia. Já a nova proposta do Código Penal permite o aborto por vontade da gestante até a décima segunda semana quando o médico ou psicólogo atestar que a mulher não apresenta condições psicológicas de arcar com a maternidade.

com informações do CFM

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
novo Código Penal Brasileiro    III Congresso Brasileiro de Direito Médico    Conselho Federal de Medicina    eutanásia    aborto   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.