Geral
publicado em 13/08/2012 às 20h49:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Estudo realizado na Northwestern University Feinberg School of Medicine (EUA) mostra que, depois que o nariz humano é experimentalmente bloqueado por uma semana, a atividade cerebral muda rapidamente em regiões cerebrais olfativas. Essa mudança sugere que o cérebro está compensando a interrupção desse sentido. Dessa forma, no momento em que voltamos a respirar normalmente, ficamos com o sentido tão aguçado quanto antes da privação.

Pesquisas anteriores em animais sugeriam que o sistema olfativo é resistente a mudanças de percepção depois da privação de odor. Este novo estudo foi realizado em seres humanos para mostrar como isso é possível.

"Você precisa de estímulos sensoriais em curso para que seu cérebro atualize as informações de cheiro", disse Wu Keng Nei, o autor principal do estudo. "Quando as narinas estão bloqueadas, o cérebro tenta ajustar-se à falta de informações para que o sistema não falhe. Por isso, quando você volta a respirar normalmente, está em boas condições".

Para o estudo, Wu bloqueou completamente as narinas de 14 participantes por uma semana enquanto eles viviam em um quarto de hospital especial de baixo odor. À noite, os participantes puderam respirar normalmente enquanto dormiam no quarto.

Após a privação de cheiro, os investigadores encontraram um aumento na atividade no córtex órbito-frontal e uma diminuição da atividade no córtex piriforme, duas regiões relacionadas com o sentido do olfato. "Essas mudanças no cérebro são fundamentais para manter a nossa forma de sentir as coisas, mesmo depois de sete dias sem cheiro", contou Wu.

Quando a respiração sem restrições foi restaurada, as pessoas foram imediatamente capazes de perceber odores. Uma semana depois da experiência de privação, a resposta do cérebro aos odores voltou para níveis pré-experimentais, indicando que a privação causada pela mudança é rapidamente revertida.

Tal reversão rápida é bastante diferente de outros sistemas sensoriais, como visão, que normalmente possui efeitos mais duradouros devido à privação. O sistema olfativo é mais ágil, sugere Wu, porque a privação do cheiro devido a uma infecção viral ou alergia é comum.

O estudo tem importância clínica no que diz respeito ao tratamento crônico da sinusite. "Implica também que a privação tem impacto significativo sobre o cérebro, em vez de no próprio nariz", disse.

De acordo com Wu, "mais conhecimento sobre como o sistema reage a curto prazo, e a privação pode fornecer novos insights sobre como lidar com este problema em um contexto crônico".

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
nariz humano    bloqueio nasal    capacidade olfativa    atividade cerebral    Northwestern University   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.