Geral
publicado em 13/08/2012 às 12h55:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: St. Jude Medical
Interruptor genético que desencadeia a diminuição de conexões entre os neurônios contribui para insuficiências emocionais e cognitivas.
  « Anterior
Próxima »  
Interruptor genético que desencadeia a diminuição de conexões entre os neurônios contribui para insuficiências emocionais e cognitivas.

Pesquisadores da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, descobriram como a depressão e o estresse crônico podem causar perda de volume do cérebro.

A pesquisa, publicada na revista Nature Medicine, sugere que um interruptor genético que desencadeia a diminuição de conexões entre os neurônios contribui para insuficiências emocionais e cognitivas.

Os resultados mostram que o interruptor reprime a expressão de genes necessários para a formação de conexões sinápticas entre células do cérebro, que por sua vez contribui para a perda de massa cerebral no córtex pré-frontal.

"Quisemos testar a tese de que o estresse causa a perda de sinapses cerebrais em humanos. Mostramos então que circuitos normalmente envolvidos na emoção, assim como na cognição, são interrompidos quando esta espécie de interruptor é ativada", explica o pesquisador Ronald Duman.

A equipe analisou tecidos de pacientes deprimidos e não deprimidos doados de um banco de cérebros e procurou diferentes padrões de genes.

As regiões do DNA de pessoas deprimidas exibiram níveis mais baixos de expressão de genes que são necessários para a função e estrutura das sinapses no cérebro.

O autor principal do estudo, H.J. Kang descobriu que ao menos cinco destes genes poderiam ser regulados por um simples fator chamado GATA1.

Quando esse fator foi ativado, os ratos que serviam de cobaias mostraram sintomas de depressão, sugerindo que tal fator tem um papel importante não apenas na perda de conexões entre neurônios, mas também nos sintomas da doença.

Duman acredita que as variações genéticas do GATA1 podem ajudar a identificar pessoas com risco alto de depressão ou muita sensibilidade para o estresse.

"Esperamos que através do reforço das conexões sinápticas, seja com medicamentos novos ou terapia comportamental, possamos desenvolver terapias antidepressivas mais eficazes", conclui Duman.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Depressão    Estresse    Volume cerebral    Fator GATA1    Universidade de Yale    Ronald Duman   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Depressão    estresse    volume cerebral    fator GATA1    Universidade de Yale    Ronald Duman   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.