Geral
publicado em 09/08/2012 às 20h40:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Marcello Casal Jr./ABr
Greve no Porto Seco do Distrito Federal afeta sobretudo distribuição de matéria-prima para produção de medicamentos
  « Anterior
Próxima »  
Greve no Porto Seco do Distrito Federal afeta sobretudo distribuição de matéria-prima para produção de medicamentos

A greve dos servidores federais está afetando o funcionamento do Porto Seco do Distrito Federal, estação aduaneira localizada em Santa Maria, cidade-satélite a 39 quilômetros de Brasília. De acordo com Edward Líbaino Martins, gerente-geral do Porto Seco do DF, 80% da carga que está parada são compostos de matérias-primas para a fabricação de medicamentos, mercadoria perecível, avaliada em US$ 15 milhões (R$ 30 milhões). Estão retidos também implantes, próteses e equipamentos médicos, como marca-passos e stents, usados em cirurgias cardíacas.

Com os serviços da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do Ministério da Agricultura e da Receita Federal paralisados, as mercadorias que chegam ao local não estão sendo liberadas por falta de fiscalização. Os produtos estão encalhados no pátio da unidade há sete dias, quando o normal seria que todo o processo ocorresse em um período de 24 a 48 horas.

Segundo o gerente-geral do porto seco, as matérias-primas foram importadas da Índia e Alemanha por indústrias farmacêuticas de Minas Gerais, Goiás, São Paulo e do próprio Distrito Federal. Ele explica que é comum empresas de outros estados importarem usando o DF como porta de entrada, em razão da posição geográfica central de Brasília.

Os funcionários da Anvisa lotados no Porto Seco do DF estão sem trabalhar há cerca de 15 dias. Os fiscais agropecuários do Ministério da Agricultura que atuam no local pararam as atividades no início desta semana.

Atualmente, a Receita Federal é a única a cumprir suas funções na área, mas os auditores fiscais estão em operação-padrão. " De cada 10 mercadorias, eles só liberam três" , afirma Martins.

Na avaliação dele, a situação dos insumos para medicamentos é a mais preocupante. Apesar de estarem estocadas em ambiente refrigerado, as substâncias têm prazo de validade. " Em geral elas demoram uns 45 dias para chegar ao Brasil. Aqui, o processo de liberação tem que ser bem dinâmico ou então os remédios chegarão ao consumidor final com uma validade muito curta" , diz.

Ele destaca que, no caso dos demais produtos encalhados, o prejuízo é apenas financeiro - as empresas têm que desembolsar uma taxa pelo tempo extra de armazenamento.

com informações da Agência Brasil

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Greve dos servidores    Porto Seco    Mercadoria perecível    Medicamentos    Distrito Federal   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
greve dos servidores    Porto Seco    mercadoria perecível    medicamentos    Distrito Federal   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.