Ciência e Tecnologia
publicado em 07/08/2012 às 16h25:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Michael Brown/University of South Carolina
Krishna Mandal, examina um recém fabricado detector de raios-X flexíveis
  « Anterior
Próxima »  
Krishna Mandal, examina um recém fabricado detector de raios-X flexíveis

Pesquisadores da University of South Carolina, nos Estados Unidos, desenvolveram um novo detector de raios-X flexíveis capaz de melhorar o tratamento e o diagnóstico do câncer de mama.

O estudo sugere que o novo dispositivo é potencialmente menos prejudicial para os pacientes do que aqueles baseados em raios-X maciços.

Os raios X são parte do espectro eletromagnético, que varia de ondas de rádio de baixa energia aos raios gama de alta energia. Os raios X de alta energia estão no final do espectro, logo abaixo dos raios gama e são mais energéticos que a luz ultravioleta, que é mais energética que a luz visível.

Como relatado na revista Applied Physics Letters, os engenheiros desenvolveram um dispositivo que detecta com sensibilidade os chamados "raios-X flexíveis", aqueles no extremo inferior da escala de energia de raios-X. Na outra extremidade do espectro de raios-X estão os raios-X maciços.

Os raios-X típicos obtidos no consultório de um médico ou dentista é uma fotografia em preto e branco mostrando onde raios X maciços foram capazes de penetrar (a área preta) ou incapazes de atravessar (área clara).

"Se você pegar como exemplo a mamografia, raios X maciços enfrentam dificuldades. Primeiro, eles têm uma energia muito alta, e por isso temos de minimizar a exposição a eles. Os raios-X flexíveis são potencialmente menos prejudiciais. E mais importante, os raios-X flexíveis interagem com as calcificações no tecido. Raios-X não, eles apenas passam através dos depósitos de cálcio", explica o líder da pesquisa Krishna Mandal.

Calcificação é a deposição de minerais de cálcio no tecido do corpo. Na mama, isso pode ser um indicador de doença. Os pesquisadores acreditam que esses depósitos de cálcio representam um alvo muito promissor para o mapeamento detalhado de raios-X flexíveis.

Segundo Mandal, os novos detectores de raios-X flexíveis vão levar a uma nova forma de visualização do tecido da mama, de modo que os médicos vão poder acompanhar a progressão da calcificação ao longo do tempo.

"É comum que as mulheres, mesmo com menos de 40 anos de idade, tenham calcificações. É fundamental saber se ela existe no tecido e, especialmente, se ela está se espalhando. Mas para ver isso precisamos de sistemas de alta resolução. Este novo detector é instantâneo e vai ser capaz de operar à temperatura ambiente com alta resolução", destaca Mandal.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Raios-X    Câncer de mama    Calcificação    University of South Carolina    Krishna Mandal   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Raios-X    câncer de mama    calcificação    University of South Carolina    Krishna Mandal   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.