Geral
publicado em 06/08/2012 às 20h05:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: UFMG
VI Jornada de Reumatologia abordou, entre outros temas, a atualização do tratamento da osteoporose
  « Anterior
Próxima »  
VI Jornada de Reumatologia abordou, entre outros temas, a atualização do tratamento da osteoporose

A medicação subcutânea ou intravenosa pode ser uma opção no tratamento de osteoporose que facilita a adesão de pacientes. É o que garante o reumatologista e professor da Universidade de São Paulo (Unifesp), Marcelo Pinheiro. A afirmação foi feita durante a VI Jornada do Centro de Estudos em Reumatologia Pedro Nava, realizada na última sexta-feira (3), na Faculdade de Medicina da UFMG.

" O custo dos novos medicamentos não é absurdo. Eles variam entre R$ 100 e R$ 150, mas garantem a eficácia do tratamento. Talvez já fosse o caso do governo disponibilizar isso, porque garante que o paciente vai se prevenir" , explica.

Ao contrário dos tratamentos da hipertensão e da diabetes, que o paciente deve ser medicado diariamente, na osteoporose essa medicação pode ser ministrada uma vez a cada seis meses, até uma vez por ano, sem grandes efeitos colaterais. E o paciente estará protegido de novas fraturas ósseas.

No Brasil, 20 milhões de pessoas sofrem com a doença, a maioria mulheres. Praticamente o mesmo quadro da hipertensão, que acomete cerca de um terço da população. E elas podem vir associadas: o paciente idoso geralmente tem uma das duas doenças.

De acordo com o reumatologista, o Ministério da Saúde monitora via telefone 54 mil pessoas cadastradas, com o objetivo de saber se elas têm hipertensão, diabetes e se receberam o diagnóstico da osteoporose. Mas ele alerta para a falta de diagnóstico. " Se você não fizer o exame, não é possível diagnosticar a doença. Com isso, apenas 7% das pessoas monitoradas sabiam que tinham o problema" . Segundo ele, se o médico pede o exame, essa porcentagem sobe para aproximadamente 30%, quadriplicando a estatística de conhecimento da doença.

A falta de diagnóstico faz com que os medicamentos disponibilizados pelo governo, que são eficazes, na opinião do médico Marcelo Pinheiro, não sejam prescritos.

Em geral, o paciente não sente os efeitos da osteoporose e, apesar de não haver cura para a doença, o objetivo é evitar a fratura. " A cura é estar com a saúde óssea boa, ou seja, não quebrar os ossos do corpo" , conclui o reumatologista.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Osteoporose    medicação subcutânea    medicação intravenosa    Marcelo Pinheiro    fratura óssea   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.