Geral
publicado em 06/08/2012 às 12h57:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Alice C. Gray/University of Washington
Foto: Alice C. Gray/University of Washington
Michael Laflamme examina células do músculo cardíaco sob um microscópio Dr. Laflamme retira amostra congelada de células de uma cuba
  « Anterior
Próxima »  
Michael Laflamme examina células do músculo cardíaco sob um microscópio
Dr. Laflamme retira amostra congelada de células de uma cuba

Pesquisadores da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, descobriram que o enxerto de células musculares cardíacas, cultivadas a partir de células-tronco, pode ajudar a regenerar corações danificados.

As células criadas artificialmente reduziram a incidência de arritmias (ritmos cardíacos irregulares) em um modelo animal de infarto do miocárdio, ou ataque cardíaco.

"Estes resultados apoiam o desenvolvimento contínuo de terapias à base de células-tronco embrionárias humanas para reparação mecânica e elétrica do coração", afirma o autor sênior da pesquisa Michael Laflamme.

Durante um enfarte do miocárdio o fluxo de sangue rico em oxigênio para o músculo cardíaco é interrompido pela formação de um coágulo, causando a morte do músculo cardíaco e sua substituição por tecido cicatricial. Isto causa problemas mecânicos no enchimento e esvaziamento do coração e pode interferir com os sinais eléctricos que ditam o ritmo da pulsação.

Na pesquisa atual, a equipe utilizou corações de porcos da índia com defeito no ventrículo esquerdo que bombeia o sangue oxigenado para o corpo. A lesão deixou uma cicatriz e afinou o ventrículo, que mostrou redução na função de bombeamento e maior suscetibilidade a arritmias.

Os pesquisadores notaram que corações danificados que receberam os enxertos de células cardíacas musculares humanas mostraram re-muscularização parcial do ventrículo esquerdo cicatrizado.

Consistente com estudos anteriores, testes mostraram que os corações dos animais que receberam os transplantes apresentaram melhor função mecânica e ainda foram menos susceptíveis a arritmias do que os corações sem enxerto.

Como a arritmia é uma das principais causas de morte em pacientes após um ataque cardíaco, Laflamme afirma que a pesquisa pode ser clinicamente útil se comprovada em modelos animais de grande porte.

Os cientistas estavam preocupados de que o transplante de células musculares cardíacas derivadas de células-tronco embrionárias poderiam promover arritmias. "Em vez disso, eles suprimem arritmias, pelo menos no modelo de cobaia testado", conclui Laflamme.

Veja mais detalhes sobre esta pesqusia (em inglês).

uwhuskies
Vídeo mostra células cardíacas musculares intermitentes e o enxerto transplantado.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Enxerto    células musculares cardíacas    ataque cardíaco    infarto    Universidade de Washington    Michael Laflamme   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.