Profissão Saúde
publicado em 31/07/2012 às 12h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Divulgação/Gilead
Truvada tem como tem como objetivo reduzir a infecção de HIV/Aids em pacientes de alto risco
  « Anterior
Próxima »  
Truvada tem como tem como objetivo reduzir a infecção de HIV/Aids em pacientes de alto risco

A Associação Médica Americana volta a insistir na importância da utilização consciente do Truvada por profissionais de saúde. Embora muitos profissionais de saúde tenham aplaudido a última ação da FDA, eles estão conscientes de que a droga não vai acabar com a epidemia.

Profissionais especializados em cuidar de pacientes com Aids enfatizam a importância do sexo seguro. "O Truvada será mais uma ferramenta útil, mas não é uma grande mudança no jogo. Não é uma bala de prata," disse Laurie Dill, diretora médica da organização sem fins lucrativos Medical AIDS Outreach of Alabama.

Antes de prescrever a medicação, os profissionais devem discutir com os pacientes porque eles poderiam se beneficiar da droga e educá-los sobre como usá-la adequadamente, disse Harvey Makadon, diretor do National LGBT Health Education Center at Fenway Institute in Boston, entidade que trabalha com programa de pesquisa do HIV.

"O Truvada será mais uma ferramenta útil, mas não é uma grande mudança no jogo. Não é uma bala de prata"
O medicamento, aprovado para uso nos Estados Unidos, em 16 de julho, pelo Food and Drug Administration (FDA), tem como objetivo reduzir a infecção de HIV/Aids em pacientes de alto risco.

De acordo com o Center for Disesase Control and Prevention (CDC), os médicos são incentivados a discutir as vantagens e desvantagens da medicação com pacientes de alto risco, que incluem homens homossexuais e bissexuais que têm múltiplos parceiros sexuais. Outros candidatos potenciais são pessoas não infectadas em uma relação de longo prazo com uma pessoa que tem HIV / AIDS e heterossexuais que se envolvem regularmente em um comportamento sexual arriscado.

O CDC ainda não emitiu orientações oficiais sobre a prescrição da pílula para a pré-exposição, mas a entidade deixa claro que o Truvada não é um substituto para práticas sexuais seguras. "Para alguns indivíduos com alto risco de infecção pelo HIV, a profilaxia pré-exposição pode representar um método essencial de prevenção. Mas não vai ser bom para todos, e nunca deve ser visto como uma primeira linha de defesa ."

Ferramentas para os profissionais de saúde

Para garantir que os médicos façam uma utilização racional do Truvada, comunicando claramente aos pacientes a importância de praticar sexo seguro paralelamente ao uso da medicação, o FDA desenvolveu junto com o fabricante do remédio, Gilead Sciences, um programa de educação voluntária para todos os profissionais que prescrevem o medicamento.

A instrução inclui um guia de treinamento sobre o uso correto de Truvada e um folheto de segurança que discrimina potenciais efeitos colaterais da droga que incluem dor abdominal, diarréia e náuseas, bem como a complicação menos comum de diminuição da densidade mineral óssea, segundo a FDA.

Um requisito fundamental para a prescrição de Truvada é confirmar que o indivíduo é HIV-negativo com realização de testes a cada três meses. È recomendado a interrupção do tratamento, se o indivíduo for contaminado, a fim de reduzir o risco de o paciente desenvolver resistência ao medicamento.

A esperança é que, ao longo do tempo, a taxa de novas infecções seja diminuída nos EUA, mas alguns médicos questionam a eficácia clínica. Um dos maiores problemas é conscientizar o paciente do uso constante do medicamento.

Outro complicador, segundo os médicos, é o custo da droga, cerca de US $ 11.000 por ano, inacessível para muitas pessoas que possam se beneficiar dela. Segundo estes profissionais, mesmo que as seguradoras de saúde paguem parte do tratamento, o que pode ser possível de acordo com um artigo publicado on-line, no dia 22 de julho, na revista Annals of Internal Medicine, os custos ainda seriam altos.

Outra preocupação dos profissionais de saúde é que pacientes prescritos com o Truvada desenvolvam comportamentos sexuais mais arriscados por se sentirem mais protegidos. De acordo com os responsáveis pelo desenvolvimento da droga, não houve nenhuma evidência de um aumento no comportamento sexual de risco entre os participantes dos dois grandes estudos clínicos que demonstraram a segurança e eficácia de Truvada.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Truvada    Pessoas de alto risco    Sexo seguro    AMA    FDA    CDC    Laurie Dill   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Truvada    pessoas de alto risco    sexo seguro    AMA    FDA    CDC    Laurie Dill   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.