Ciência e Tecnologia
publicado em 27/07/2012 às 19h40:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Antonio Cruz/ABr
Helena Nader, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, durante balanço da 64ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).
  « Anterior
Próxima »  
Helena Nader, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, durante balanço da 64ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Especialistas discutiram, na quarta-feira (25), como conciliar a ciência e o uso de saberes tradicionais para o desenvolvimento do país, na mesa-redonda "Saberes Tradicionais e pesquisa científica - desenvolvimento de produtos e processos para enfrentar a pobreza". O assunto foi tema central da 64ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), sediada na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), em São Luís.

Na discussão, foi apontada a importância de investimentos em educação e em pesquisas científicas, a fim de explorar o potencial da biodiversidade brasileira. Os cientistas reconheceram o uso de saberes tradicionais como "uma fonte valiosa de investigação científica e tecnológica para a criação de produtos". Consideraram também o potencial brasileiro para o desenvolvimento de medicamentos, já que o país historicamente acumula déficit bilionário na balança comercial de fármacos. Segundo os estudiosos, assim, a política pode contribuir para o desenvolvimento do país.

A tendência é de uma mudança no atual modelo internacional de desenvolvimento econômico, uma vez que os saberes tradicionais passam a ser reconhecidos. Segundo o antropólogo Alfredo Wagner Almeida, presidente do Programa Nova Cartografia Social da Amazônia, na primeira década do século XXI há uma significativa movimentação internacional para o reconhecimento de saberes tradicionais no avanço de nações.

A professora titular do Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Vanderlan da Silva Bolzani, apontou que a biodiversidade brasileira que pode ser explorada pela pesquisa científica no processo de desenvolvimento de medicamentos, por exemplo. Com base em dados internacionais, ela disse que os gastos com a saúde são estimados em US$ 179 bilhões este ano em todo o mundo.

Segundo o antropólogo Alfredo Wagner, hoje, a questão do uso dos conhecimentos milenares de vários povos foi ampliada: é um tema das universidades e dos movimentos sociais pautado em uma relação estratégica empresarial.

O debate foi acompanhado por alunos, pesquisadores, professores e cientistas. A 64ª reunião terminou nesta sexta-feira (27). Segundo a organização, 25 mil pessoas participaram do evento.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Saberes Tradicionais    Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência    UFMA    biodiversidade    medicamentos   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.