Geral
publicado em 20/07/2012 às 12h45:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Human Rights Watch
Documento relata que policiais e promotores utilizam preservativos como evidências nos julgamentos como indicadores de atividade criminosa, a prostituição
  « Anterior
Próxima »  
Documento relata que policiais e promotores utilizam preservativos como evidências nos julgamentos como indicadores de atividade criminosa, a prostituição

A Human Rights Watch divulgou, nesta quinta-feira (19), relatório em que acusa as polícias de Nova York, Los Angeles, Washington e São Francisco, nos Estados Unidos, de estarem prejudicando as campanhas de prevenção das Aids no país. De acordo com a organização norte-americana, a força policial dessas localidades está confiscando preservativos de profissionais do sexo e transexuais.

O documento de 112 páginas intitulado " Sex Workers at Risk: Condoms as Evidence of Prostitution in Four US Cities" relata em cada cidade como a polícia e os promotores públicos utilizam os preservativos para sustentar as acusações de prostituição. A prática faz com que essas pessoas tenham receio de portar camisinhas com medo de serem presas, o que as leva a fazer sexo sem proteção e as coloca em risco de transmitir e contrair HIV e outras doenças.

As cidades investigadas no estudo estão entre aquelas com maior incidência de HIV/aids nos EUA, somando mais de 200 mil pessoas infectadas.

A Human Rights Watch entrevistou para o relatório mais de 300 pessoas, incluindo atuais e ex-profissionais do sexo, assim como agentes de prevenção, advogados, promotores, defensores públicos, policiais e oficiais do departamento de saúde.

O relatório inclui testemunhos de profissionais do sexo e transexuais que disseram sofrer assédio, ameaças e prisões por parte da polícia simplesmente por portarem camisinhas. Em Nova York, Los Angeles e São Francisco, os promotores introduziram os preservativos como evidências nos julgamentos, pedindo para a corte considerá-los indicadores de atividade criminosa. Para imigrantes, a prisão por prostituição pode significar detenção ou deportação dos Estados Unidos.

HumanRightsWatch

" As profissionais do sexo em cada cidade nos perguntaram quantas camisinhas poderiam portar para estar dentro da lei" , diz a pesquisadora envolvida na elaboração do relatório Megan McLemore. " Uma mulher em Los Angeles nos contou que tinha medo de carregar preservativos com ela e que, algumas vezes, tinha que usar uma sacola de plástico com os clientes no lugar da camisinha para se proteger do HIV" .

O governo norte-americano fornece milhões de dólares a cada uma das cidades analisadas no relatório para prevenir o HIV entre os grupos mais vulneráveis, inclusive profissionais do sexo e transexuais. Ainda assim, esses grupos declararam ao Human Rights Watch que recusaram ofertas de camisinhas feitas por agentes de prevenção. " Estas cidades distribuíram 50 milhões de camisinhas no ano passado" , observou McLemore. " Mas a polícia está tirando esses insumos das mãos de quem mais precisa deles."

A polícia e os promotores defenderam a utilização dos preservativos como evidência, dizendo que a prática era necessária para reforçar as leis anti-prostituição e que os mesmos são uma ferramente para obter condenações de prostitutas, clientes e aqueles envolvidos no tráfico do sexo. Recentemente, uma lei que propunha que a utilização da camisinha como evidência fosse banida não foi aprovada pela câmara do Estado de Nova York.

Barrar a utilização de tipos específicos de evidência em procedimentos criminais não é incomum quando há interesses públicos envolvidos. Por exemplo, em cada cidade citada no relatório, existem agulhas descartáveis disponíveis para usuários de droga com o objetivo de diminuir as infecções pelo HIV e pelo vírus da hepatite C, e reforços da lei municipal e agentes de saúde colaboram para garantir programas que consigam atingir aqueles grupos mais vulneráveis.

Acesse aqui o relatório Sex Workers at Risk: Condoms as Evidence of Prostitution in Four US Cities divulgado online.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Aids    HIV    Prevenção do HIV    Campanhas    Polícia    Polícia dos EUA    Human Rights Watch      
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Aids    HIV    prevenção do HIV    campanhas    polícia    polícia dos EUA    Human Rights Watch       
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.