Saúde Pública
publicado em 18/07/2012 às 10h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Greg Webb/UN Photo/IAEA
Pesquisa publicada nesta terça (17) evidencia o impacto da radiação liberada após o terremoto seguido de tsunami que atingiu a usina japonesa. Imagem mostra Unidade do Reator 3
  « Anterior
Próxima »  
Pesquisa publicada nesta terça (17) evidencia o impacto da radiação liberada após o terremoto seguido de tsunami que atingiu a usina japonesa. Imagem mostra Unidade do Reator 3

Cerca de 1,3 mil mortes em todo o mundo e 2,5 mil casos de câncer, sobretudo em solo Japonês. Segundo pesquisadores na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, estes são alguns dos riscos deixados pela explosão da usina nuclear de Fukushima, em março de 2011. Pesquisa publicada nesta terça (17) evidencia o impacto da radiação liberada após o terremoto seguido de tsunami que atingiu a usina japonesa.

Estimativas têm grandes faixas de incerteza, porém contrastam com afirmações anteriores de que a libertação de substâncias radioativas da usina não causariam efeitos graves à saúde global. A variação no que diz respeito às mortes é de 15 a 1,3 mil (com melhor estimativa de 130), enquanto em relação aos casos de câncer é de 24 a 2,5 mil (com melhor estimativa de 180).

O desastre de Fukushima foi o pior acidente nuclear desde a explosão do reator de Chernobyl, na Ucrânia, em 1986. Segundo o estudo, a liberação de radiação contaminou uma área chamada de " zona morta" , que reúne várias centenas de quilômetros quadrados ao redor da planta atômica. Baixos níveis de radiação foram encontrados na América do Norte e na Europa.

Mas a maior parte da radiação foi despejada no Oceano Pacífico (apenas 19% do material liberado afetou o solo), o que manteve a população relativamente menos exposta.

Os pesquisadores de Stanford utilizaram um modelo atmosférico global em 3D para estimar o transporte de material radioativo. Um modelo padrão de efeitos na saúde também foi aplicado para estimar a exposição humana ao material.

Com isso, os pesquisadores descobriram um número estimado de mortes, grande parte ocasionada pelo câncer. Pelo modelo, a maior parte dos afetados está no Japão, com efeitos notáveis na Ásia e na América do Norte. Nos Estados Unidos, por exemplo, haveriam 12 mortes devido à radiação e até 30 óbitos devido ao câncer provocado pelo contato com a radiação.

Pesquisa foi publicada no "Energy and Environmental Science"

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Saúde pública    Fukushima    Nuclear    Desastre nuclear    Radiação    Câncer    Mortes   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
saúde pública    Fukushima    nuclear    desastre nuclear    radiação    câncer    mortes   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.