Saúde Pública
publicado em 17/07/2012 às 15h06:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

A aprovação do Truvada como primeira pílula para prevenção do HIV, nos Estados Unidos, não altera as estratégias brasileiras contra a epidemia, afirma o infectologista Ronaldo Hallal, coordenador de cuidado e qualidade de vida no Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

Hallal argumenta que, apesar da recém aprovação da Agência Federal de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos EUA, não está claro, ainda, como isso seria aplicado em uma ação de saúde pública no Brasil. " Para a transposição de evidências em ensaios clínicos para a vida real há uma grande distância" , comentou. " Há também algumas controvérsias sobre o uso do Truvada na prevenção. Em mulheres, por exemplo, parece não mostrar muita eficácia" .

O representante do Departamento de Aids afirma que as prioridades atuais do País ainda são o incentivo ao preservativo, a redução de danos para usuários de drogas e álcool, o diagnóstico precoce do HIV e até mesmo a profilaxia pós-exposição, que ao contrário da pré-exposição (realizada com o uso do Truvada), prevê a terapia antirretroviral depois de uma situação de risco.

Para o infectologista e pesquisador Esper Kallas, no entanto, a aprovação pelo FDA é um avanço na luta contra a disseminação do HIV e acrescenta mais uma ferramenta para o combate da pandemia de aids.

" Não acho que a profilaxia pré-exposição deva ser usada indiscriminadamente na população. Nesse caso, os riscos e efeitos colaterais da medicação ultrapassariam os benefícios. Mas se usado em grupos específicos, os benefícios pesam mais do que o risco" , diz o infectologista.

Aprovação pelo FDA é um avanço na luta contra a disseminação do HIV e acrescenta mais uma ferramenta para o combate da pandemia de aids.

Referência em assuntos relacionados à aids, Kallas ainda acrescenta que a recomendação é de que o medicamento seja usado sob supervisão médica. Desse modo, algumas pessoas não receberiam o medicamento por conta de algum efeito colateral específico. " Cada caso é um caso e deve ser estudado" , comentou.

O Truvada, que já havia sido registrado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no Brasil em maio, foi aprovado como profilaxia pré-exposição e sua eficácia chegou a até 73% entre homens homossexuais.

Esper Kallas acredita que, como os dados demonstram o efeito do medicamento, está na hora do Brasil discutir o assunto em grupos de alta vulnerabilidade, como os homens que fazem sexo com homens, as profissionais do sexo e as pessoas não infectadas em casais sorodiscordantes.

A respeito dos riscos envolvidos em tomar um medicamento sem possuir a doença, o pesquisador pontua que os estudos envolvendo o Truvada não detectaram casos de vírus mais resistentes após o uso da medicação. Segundo ele, existe um risco teórico, mas que não foi observado na prática.

Estudos questionam uso de antirretrovirais para prevenção

Os resultados de três grandes estudos realizados na África e publicados na revista científica New England Journal of Medicine levantam questões sobre que grupos se beneficiariam, e como deveria ser usados os medicamentos contra a aids para a prevenção do HIV.

Um estudo citado pela revista, que incluía casais heterossexuais sorodiscordantes (em que apenas um tem o vírus), mostrou que se reduzia entre 67% e 75% o risco de contrair a doença entre os que tomavam o medicamento.

O estudo, conhecido como Partners PrEP, foi realizado entre 2008 e 2010, em Uganda e Quênia, com mais de 4.700 casais, e ministrava aleatoriamente aos casais que não tinham a doença uma dose diária de tenofovir, uma combinação de tenofovir e emtricitabina, ou um placebo.

Outro estudo citado na publicação teve que ser interrompido em abril de 2011, porque o grupo que recebia o remédio não mostrou um nível de proteção maior do que o que recebia o placebo.

Este estudo, conhecido como FEM-PrEP, foi um teste controlado aleatório de 2.120 mulheres em Quênia, África do Sul e Tanzânia. Entre elas, 33 mulheres que faziam o tratamento contraíram a doença, contra 35 que tomavam o placebo.

Ativistas pedem cautela e sugerem mais discussão sobre o tema

Quando o Truvada foi registrado no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), no final de maio, Mário Scheffer, especialista em saúde pública e presidente do Grupo pela Vidda, elogiou a cautela adotada pelo governo nesse debate. "Talvez para grupos altamente vulneráveis, uma seleção rigorosa. Mas não sem antes a realização de um estudo-piloto. Pessoas que usam o remédio têm de fazer acompanhamento periódico", ponderou.

Com a aprovação do FDA, o professor e pesquisador Jorge Beloqui, do Grupo Incentivo à Vida de São Paulo (GIV), disse à Agência de Notícias da Aids que é necessário começar a falar em prevenção combinada no Brasil e aceitar que uma parcela importante da população não usa o preservativo. " No caso da profilaxia pré-exposição, deveria ser feito ensaios de aceitabilidade e implementação (e não de eficácia), em especial nos grupos que enfrentam as mais altas taxas de prevalência do HIV no País" , disse.

Beloqui defende mais iniciativa do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde na realização ou promoção de estudos sobre o assunto. " Tomar esta iniciativa e avaliar políticas de prevenção à luz dos resultados destes estudos é diferente de se manter numa atitude de paralisia ou de ignorância desta importante novidade" , afirmou.

Fonte: AGENCIA AIDS
   Palavras-chave:   HIV    Truvada    FDA    Aids    Departamento de DST    Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde    Ministério da Saúde    MS   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
HIV    Truvada    FDA    Aids    Departamento de DST    Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde    Ministério da Saúde    MS   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.