Geral
publicado em 16/07/2012 às 20h21:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Salk Institute for Biological Studies
Foto: Cortesia Alessandra Giorgetti
Carol Marchetto (a esq.) e Mo Li, pesquisadores envolvidos no estudo Imagem de microscópio mostra uma colônia de neurônios derivadas do sangue do cordão umbilical
  « Anterior
Próxima »  
Carol Marchetto (a esq.) e Mo Li, pesquisadores envolvidos no estudo
Imagem de microscópio mostra uma colônia de neurônios derivadas do sangue do cordão umbilical

Pesquisadores do Salk Institute for Biological Studies desenvolveram procedimento que usa proteína encontrada no cordão umbilical no tratamento de ampla variedade de condições neurológicas, incluindo AVC, traumatismo craniano e lesão medular.

Os cientistas criaram um protocolo que demonstra que essas proteínas, encontradas na mesoderme (camada média de células embrionárias), podem ser transferidas para as células ectodérmicas (na camada externa do cérebro) de onde surgem os nervos do cérebro e coluna. "Este estudo mostra, pela primeira vez, a conversão direta de uma população pura de células sanguíneas humanas da medula em células de linhagem neural pela expressão forçada de um fator de transcrição único", diz o professor Juan Carlos Izpisúa Belmonte, líder da equipe de pesquisa.

Os investigadores usaram um retrovírus, que atua como um interruptor no desenvolvimento neural, em células do cordão umbilical (CB). Após o cultivo em laboratório, eles descobriram colônias de células que expressam marcadores neuronais. Usando uma variedade de testes, eles determinaram que as novas células, chamadas de células neurais induzidas (INC), poderiam transmitir impulsos elétricos, assemelhando-se a neurônios maduros e funcionais. Além disso, eles transferiram as células para um cérebro de rato e descobriram que elas, integradas à rede neural do animal, eram capazes de transmitir sinais elétricos.

Para a co-autora do estudo, pesquisadora Alessandra Giorgetti, " células do cordão oferecem uma série de vantagens sobre outros tipos de células-tronco. Em primeiro lugar, elas não embrionárias e, portanto, não geram controvérsia. São mais flexíveis, do que as células-tronco de adultos, extraídas a partir de fontes como a medula óssea, o que pode torná-las mais fáceis de serem convertidas em linhagens celulares específicas. A coleta de células CB é segura, indolor, não apresenta nenhum risco para o doador, e podem ser armazenadas nos bancos de sangue para posterior utilização" , finaliza.

"Se o nosso protocolo for desenvolvido em uma aplicação clínica, poderia ajudar em futuras terapias de reposição celular", diz Mo Li, também co-autor do artigo.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
cordão umbilical    células embrionárias    doenças neurológicas    neurônios    células-tronco    Salk Institute for Biological Studies    Juan Carlos Izpisúa Belmonte   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.