Geral
publicado em 16/07/2012 às 18h41:00
   Dê o seu voto:

50% das pessoas que morreram com H1N1 tiveram tratamento tardio em SC

 
tamanho da letra
A-
A+

Em Santa Catarina, a metade das pessoas que vieram a óbito começou o tratamento com o antiviral oseltamivir com mais de cinco dias após o início dos sintomas. A medida que pode evitar agravamento dos casos e a ocorrência de óbitos, é o acesso rápido ao antiviral oseltamivir. A conclusão é de uma Investigação realizada pelo Ministério da Saúde no estado sobre os casos de mortes por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), que tiveram confirmação laboratorial para a Gripe A (H1N1). A pesquisa revelou a presença de comorbidades no perfil das vítimas. As principais doenças foram cardiopatias, pneumopatias, obesidade e diabetes, predominantemente entre pessoas do sexo masculino com idade entre 40 e 59 anos. De acordo com a investigação, as pessoas que faleceram iniciaram o tratamento tardiamente, com histórico de mais de um atendimento em serviço de saúde, antes da última internação.

" A análise dos dados confirma que não há mudança no padrão de ocorrência da gripe. Se antes tínhamos indícios, agora temos informações concretas de que o tratamento, no momento adequado, ainda não está sendo adotado em todos os serviços" , explica o diretor do Departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis, do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch.

O diretor ressalta que o oseltamivir precisa ser usado com mais rapidez para prevenir casos graves e óbitos por gripe. " Consideramos de fundamental importância que os profissionais sigam o Protocolo de Tratamento da Influenza, prescrevam e forneçam, o mais rápido possível, o antiviral" , reforçou o diretor.

Por outro lado, segundo Maierovitch, as pessoas também precisam se conscientizar da necessidade de procurar uma unidade de saúde o mais precocemente possível, aos primeiros sinais de sintomas da síndrome gripal. " A gripe é uma doença e tem tratamento gratuito nas unidades de saúde da rede pública. O tratamento com o antiviral, no momento certo, reduz o risco de agravamento da doença" , afirma o diretor.

"O tratamento com o antiviral, no momento certo, reduz o risco de agravamento da doença"

Orientação

Na maioria dos casos investigados, o retrato dos óbitos mostra que, quando o tratamento com o oseltamivir foi iniciado, a doença já tinha se agravado. O Protocolo de Tratamento da Influenza - 2011 atualizou os profissionais de saúde quanto ao tratamento dos casos de gripe, ratificando junto aos médicos a prescrição e orientação para o acesso rápido ao antiviral oseltamivir. A determinação é clara: o tratamento com o remédio deve ser iniciado o mais rápido possível, após os primeiros sintomas, sem aguardar resultados de laboratório ou sinais de agravamento, nas pessoas que apresentarem a síndrome gripal e fazem parte dos grupos vulneráveis para complicações - como gestantes, crianças pequenas, idosos, obesos e portadores de doenças crônicas. A síndrome gripal é identificada pela febre, acompanhada de tosse ou dor de garganta.

Já os pacientes com síndrome gripal que não pertencem aos grupos de risco devem receber o medicamento imediatamente, caso apresentem sinais de agravamento, como falta de ar ou persistência da febre por mais de três dias. Para atingir sua eficácia máxima, o antiviral deve ser iniciado nas primeiras 48 horas após o início da doença. Entretanto, mesmo ultrapassado esse período, o Ministério da Saúde indica a prescrição do medicamento.

Acompanhamento

Segundo informou a pasta, os casos de influenza estão sendo monitorados desde o surgimento das primeiras notificações, inclusive, in loco, nas ocasiões em que as secretarias de estado solicitam apoio. A pedido do governo de Santa Catarina, desde o dia 15 de julho, o Ministério da Saúde deslocou equipe da Secretaria de Vigilância em Saúde para apoiar a Secretaria Estadual e secretarias municipais de saúde na investigação e análise dos casos e na elaboração de uma resposta efetiva.

Para construir o perfil dos óbitos no estado, foram selecionadas as primeiras 28 mortes ocorridas neste ano até o dia 17 de junho em Hospitais de Santa Catarina. Foram revisados prontuários de atendimento e realizadas visitas domiciliares para complementação das informações, buscando identificar fatores associados ao quadro de agravamento.

As pessoas com doenças associadas fazem parte do grupo especial, por terem risco elevado de - ao contrair a gripe - apresentarem complicações que podem evoluir para o óbito. Por isso, a vacina é disponibilizada nas unidades de saúde pública de todo o país.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   H1N1    Influenza    Gripe A    Santa Catarina    Ministério da Saúde   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia: 50% das pessoas que morreram com H1N1 tiveram tratamento tardio em SC
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria: 50% das pessoas que morreram com H1N1 tiveram tratamento tardio em SC


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
H1N1    influenza    Gripe A    Santa Catarina    Ministério da Saúde   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.