Geral
publicado em 16/07/2012 às 12h54:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Força Jovem Amazonas/VPR
Doação de sangue na Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas. Pesquisa busca melhorar segurança nas transfusões de sangue.
  « Anterior
Próxima »  
Doação de sangue na Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas. Pesquisa busca melhorar segurança nas transfusões de sangue.

Projeto de pesquisa permite identificar as mutações existentes no sistema sanguíneo da população amazonense. O trabalho foi desenvolvido pelo pesquisador e doutor em imuno-hematologia da Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas, Sérgio Roberto Lopes. A pesquisa denominada ' Estudo do impacto nas rejeições imunes em terapia celular e incompatibilidade materno-fetal, das variantes genéticas do antígeno RhD na cidade de Manaus' busca contribuir para o aumento da segurança transfusional e na detecção do Rh fetal através do sangue da mãe.

Segundo o pesquisador, o sistema Rh apresenta diversas variantes, uma dessas variantes é a chamada RhD, que é o segundo grupo sanguíneo mais importante depois do sistema BO. " De todos os 32 sistemas de grupos sanguíneos existentes na hemácia o chamado sistema RhD, é o segundo sistema sanguíneo mais importante. Esse sistema é muito complexo e tem o gene muito amplo, por isso existe uma probabilidade muito grande de ocorrerem mutações, ou seja, polimorfismos, que normalmente não são identificados nos exames de rotina" , esclareceu.

" Por ser um sistema mutante achamos relevante fazer esse tipo de estudo na nossa população. Com as pesquisas, já identificamos algumas mutações. Inclusive existem antígenos Rh, que é aquele que a população denomina de fator positivo e negativo. Às vezes, dependendo do polimorfismo ele pode não ser identificado no exame de rotina, isso significa que um doador ou uma gestante positivo pode ser identificado como negativo. Por ele estar pouco expresso na hemácia os testes, às vezes, não têm a sensibilidade necessária para detectar aquele antígeno, e isso pode acarretar complicações após a transfusão e na gestação" .

Testes podem evitar que paciente receba sangue com fator Rh incompatível

Lopes afirma que com os exames mais específicos haverá um aumento na segurança transfusional, um auxílio no caso das gestantes que em algumas situações acreditam ter Rh negativo e na verdade são Rh positivo. " Nessa parte entra o nosso trabalho, para identificarmos essas modificações no gene Rh e isso é extensivo aos doadores, aos pacientes e as gestantes. Logo no início do teste encontramos um caso desse em uma gestante, quando começamos o trabalho nas primeiras 24 gestantes negativas, encontramos depois uma que era positiva detectada apenas por meio de teste de biologia molecular. Esses testes que estamos implantando na rotina vão aumentar a segurança transfusional" , destacou.

Testes

O pesquisador explicou que os testes podem evitar que um paciente receba um sangue com fator Rh incompatível com seu evitando reações após a transfusão. Nas gestantes os testes vão identificar as mutações no sistema Rh da mãe e do filho. " Isso vai evitar, por exemplo, o uso desnecessário da soroterapia, como as vacinas Matergan e Rogam, entre outras. Como o caso de uma pessoa ser positiva, mas ter mutações no seu Rh, dessa forma pode ocorrer ainda de um paciente sendo positivo receber sangue de um doador positivo, mas ter reações devido a essas pequenas alterações do sistema sanguíneo e ter talvez uma complicação" explicou.

Segundo o pesquisador, o trabalho é pioneiro no Brasil. " Esse trabalho já foi desenvolvido em algumas partes do mundo, como Estados Unidos, Canadá, Alemanha na Inglaterra, e no Brasil apenas as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro oferecem essa estrutura, mas não com a envergadura que estamos implantando aqui. Pois estamos incluindo os nossos doadores, para averiguar se há uma relação desses polimorfismos com alguma doença do sangue" .

Até o momento mil amostras já foram coletadas, mas será ainda maior até setembro quando o projeto for finalizado. " Temos mil amostras genotipadas, mas o nosso objetivo é passar de mil, embora o trabalho tenha um prazo definido com o financiamento da Fapeam (Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas), que vai até setembro" , diz. Ainda de acordo com ele, o trabalho terá continuidade com a busca de outros incentivos.

Com informações da Fapeam

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Sistema sanguíneo    Mutação    Amazonas    Hemoterapia    Hematologia    Transfusão de sangue    Neonatologia    Sérgio Roberto Lopes    Fapeam   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
sistema sanguíneo    mutação    Amazonas    hemoterapia    hematologia    transfusão de sangue    neonatologia    Sérgio Roberto Lopes    Fapeam   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.