Ciência e Tecnologia
publicado em 13/07/2012 às 13h30:00
   Dê o seu voto:

Autores esperam que os resultados da pesquisa auxiliem mulheres na hora de escolher entre a cirurgia tradicional ou a mastectomia

 
tamanho da letra
A-
A+

Uma em cada cinco mulheres com câncer de mama que optam por um procedimento cirúrgico que conserva a mana, em vez de mastectomia, precisa ser submetida a uma nova cirurgia, segundo estudo conduzido no London School of Hygiene & Tropical Medicine, no Reino Unido, e publicado online no bmj.com. Autores esperam que resultados do presente trabalho auxiliem mulheres na hora de escolher entre a retirada parcial ou total da mama.

Na Inglaterra, 45 mil mulheres são diagnosticadas com câncer de mama anualmente, em 2008, 58% dessas mulheres optaram por retirar apenas uma parte da mama (cirurgia conservadora da mama) em detrimento da retirada completa (mastectomia).

Quando combinado com a radioterapia, a cirurgia conservadora da mama produz taxas de sobrevivência semelhantes às obtidas com a mastectomia (sozinha). Mas como alguns tumores são difíceis de detectar, a cirurgia conservadora da mama pode resultar em uma remoção inadequada e ter como consequência a necessidade de outra operação.

Poucos estudos examinaram as taxas de reoperação da cirurgia conservadora da mama e ainda existem incertezas sobre o quanto mulheres são susceptíveis a uma. Assim, pesquisadores do Reino Unido analisaram dados coletados a partir do Hospital Episode Statistics (HES) referentes a 55.297 mulheres com câncer de mama submetidas à cirurgia conservadora da mama no sistema de saúde britânico (NHS) entre 2005 e 2008. Todas as mulheres tinham mais de 16 anos.

Taxas de reoperação foram procuradas após três meses da realização da primeira operação conservadora da mama. Taxas foram ajustadas por tipo de tumor, idade, co-morbidade e privação sócio-econômica.

Das 55.297 mulheres submetidas à cirurgia conservadora da mama, 45.793 (82%) sofriam de câncer invasivo isolado, 6.622 (12%) tinham carcinoma isolado in situ (doença pré-cancerosa) e 2.882 (6%) tiveram ambas as condições. Reoperação foi mais provável entre as mulheres com carcinoma in situ (29,5%) em comparação com aqueles com câncer invasivo isolado (18%). Cerca de 40% das mulheres que tinham uma reoperação eram submetidas a uma mastectomia.

Outros resultados sugerem que a reoperação é menos provável em mulheres mais velhas e naquelas com mais condições co-mórbidas. Reoperação também foi ligeiramente inferior em mulheres de áreas mais carentes.

Em conclusão, a metade das mulheres diagnosticadas com câncer de mama na Inglaterra atualmente optam pela cirurgia conservadora da mama, mas uma em cada cinco precisa ser submetida a uma nova operação. Relação que passa de uma para cada três entre mulheres com carcinoma isolado in situ.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Mulher    Câncer    Câncer de mama    Cirurgia conservadora    Mastectomia   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
mulher    câncer    câncer de mama    cirurgia conservadora    mastectomia   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.