Artigo
publicado em 12/07/2012 às 21h39:00
   Dê o seu voto:

O SUS desprestigiado

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: CREMEB
José Abelardo Garcia de Meneses, presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia.
  « Anterior
Próxima »  
José Abelardo Garcia de Meneses, presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia.

Concebido com lastro nos princípios doutrinários (universalidade, integralidade e equidade) e organizacionais (descentralização, regionalização e hierarquização), com controle social por meio dos conselhos de saúde, o Sistema Único de Saúde (SUS) padece do compromisso do Estado brasileiro em cumprir o que determina a Carta

Magna de 1988 (dever do Estado). É um sistema perfeito, modelo para qualquer sociedade que pretenda ser justa para com quem dela faça parte. Entretanto, no Brasil, onde se pretende exterminar a pobreza, é lamentável a constatação da penúria em que foi abandonado o SUS.

Defender o SUS de dentro dos bem montados gabinetes, afastado do calor das mal preparadas unidades de atendimento é um posicionamento poético, lírico, ideológico, altruísta. Entretanto, o que o SUS precisa é de decisão política para o cumprimento das metas das inúmeras portarias, editadas quase que diariamente, que não conseguem cumprir o seu desiderato.

Passados quase 22 anos da implantação do SUS, a União não definiu a sua participação no financiamento da saúde. Pior, muito pior, escamoteou o que vinha sendo intensamente trabalhado: a aprovação da Lei Complementar nº 141/12, que veio regulamentar a Emenda à Constituição de nº 29, tramitou no Congresso Nacional por longos 11 anos, vindo "morrer na praia" ante a articulação do Planalto com o Senado. A EC29 foi finalmente aprovada e desfigurada, pois o texto aprovado não é compatível com as necessidades do sistema de saúde.

Seguindo essa mesma lógica de estabelecer a redução das ações do Estado, o governo federal aplica a Medida Provisória 568/12, reduzindo o vencimento dos médicos da rede federal. Ao lado disso, anuncia a criação de cerca de 2,5 mil vagas de Medicina em universidades federais e particulares. Na Bahia serão mais 360 vagas. E propõe também a revalidação automática dos diplomas emitidos por faculdades estrangeiras.

O fenômeno não é exclusivo da Medicina, mas no caso preocupa profundamente, porque serão formadas gerações de médicos que deverão cuidar da saúde e da vida dos baianos. Alguns deles podem não ter uma formação em escola qualificada e capaz de dotar seus egressos de ensinamentos técnicos e humanísticos. Os médicos importados e os formados em escolas de qualidade duvidosa poderão servir aos propósitos governamentais até descobrirem as vantagens do setor privado. Daí a tendência será o aumento ainda maior das disparidades do exercício da Medicina no âmbito público e privado.

A Bahia possui o pior índice, em relação aos demais estados, quando se compara a quantidade de postos de trabalhos ocupados em estabelecimentos privados e no setor público. Usuários do SUS no estado, que correspondem à maioria da população, encontram uma quantidade de postos médicos 12,5 vezes menor do que pacientes da assistência privada. Isso é resultado da baixa qualidade dos postos de trabalho do SUS e da perversa retribuição estatal com o salário base do médico para início de carreira, de R$ 817,11. Com o acréscimo da gratificação pode chegar a pouco mais de R$ 2 mil.

Entretanto, os números oficiais do governo do estado são superdimensionados. Daí que se permanecer a política de desvalorização do médico no setor público e a avalanche de escolas médicas criadas sem a mínima condição de funcionamento, a tendência natural é ampliar ainda mais esta desigualdade.

Financiamento insuficiente para a sua manutenção, excesso de burocracia, implementação de medidas demagógicas e desestímulo à adesão dos profissionais médicos, deixa aos brasileiros uma constatação estarrecedora. A agenda política dos governantes não prioriza o Sistema Único de Saúde.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia: O SUS desprestigiado
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria: O SUS desprestigiado


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
SUS    Sistema Único de Saúde    financiamento    conselhos de saúde    José Abelardo Garcia de Meneses   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.