Saúde Pública
publicado em 10/07/2012 às 13h58:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Asfoor Mhles/Deviant Art
Proteína de sedas feitas a partir do bicho-da-seda pode melhorar armazenamento de vacinas e antibióticos
  « Anterior
Próxima »  
Proteína de sedas feitas a partir do bicho-da-seda pode melhorar armazenamento de vacinas e antibióticos

Pesquisadores da Tufts University School of Engineering, nos Estados Unidos, desenvolveram um dispositivo que utiliza a proteína da seda para armazenar vacinas e antibióticos sem refrigeração durante meses e até anos.

A abordagem consiste em uma espécie de invólucro molecular que torna possível conservar vacinas e outras drogas em temperatura ambiente durante anos, segundo um trabalho publicado nesta segunda-feira nos Estados Unidos.

A estrutura de seda pode se adaptar a uma série de formas, como microsseringas e microvesículas, que permitem a esses medicamentos não refrigerados serem armazenados e administrados em um único recipiente.

Segundo os pesquisadores, as vacinas e os antibióticos podem, desta forma, ser preservados em temperaturas de até 60°.

A proteína da seda tem uma estrutura química única que a torna mais robusta e resistente e estável em temperaturas extremas. Além disso, ela é biologicamente compatível.

A equipe acredita que estas propriedades são de grande utilidade para estabilizar os antibióticos, as vacinas e outros medicamentos. "O fato de que também podemos transformar a seda em microsseringas representa uma enorme vantagem, que pode proporcionar uma grande quantidade de opções úteis para estabilizar e distribuir estes medicamentos", explica o principal autor do estudo David Kaplan.

A nova abordagem resolve um sério obstáculo para o uso efetivo de produtos farmacêuticos essenciais: mantê-los frios. A maioria das vacinas, enzimas e anticorpos, bem como muitos antibióticos e outros medicamentos, deve ser refrigerada desde a produção até a entrega, para que mantenha a sua eficácia, o que representa até 80% do custo da vacinação, segundo estimativas.

Especialistas em saúde internacionais estimam que quase metade de todas as vacinas globais são perdidas devido a problemas na "cadeia de frio". Mesmo nas nações industrializadas, a perda de eficácia do fármaco à temperatura ambiente é um problema sério para sistemas avançados de administração farmacêutica.

De acordo com o primeiro autor do estudo, Jeney Zhang, a seda tem o potencial de mudar significativamente a forma como armazenar e entregar produtos farmacêuticos, especialmente no mundo em desenvolvimento.

Testes realizados pelos pesquisadores mostraram que a proteína da seda é capaz de preservar a eficácia das vacinas contra rubéola, caxumba e sarampo, bem como de antibióticos e outras drogas que necessitam de refrigeração.

Veja mais detalhes sobre esta pesquisa (em inglês).

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Vacina    refrigeração    antibiótico    cadeia de frio    Tufts University School of Engineering    David Kaplan   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.