Ciência e Tecnologia
publicado em 25/06/2012 às 13h45:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: University of Illinois at Urbana-Champaign
Foto: UC San Diego
Tatuagem eletrônica é temporária e se ajusta a pele Close da tatuagem eletrônica
  « Anterior
Próxima »  
Tatuagem eletrônica é temporária e se ajusta a pele
Close da tatuagem eletrônica

Pesquisadores da Universidade da Califórnia (UC), nos Estado Unidos, estão avaliando o uso da "tatuagem" eletrônica para monitorar os sinais vitais de recém-nascidos internados em unidades de terapia intensiva neonatais (UTIN).

A abordagem pode fornecer diagnóstico mais precoce de doenças e monitorar convulsões em tempo real, melhorando o desenvolvimento dos bebês e eliminando a necessidade de fios e eletrodos ligados às crianças.

A tatuagem eletrônica é formada por sensores minúsculos sem fio que aderem à pele temporariamente, alongando e flexionando para medir em tempo real sinais vitais múltiplos, estes eletrônicos vestíveis prometem abrir uma nova fronteira na compreensão do desenvolvimento do cérebro dos recém-nascidos.

O dispositivo foi desenvolvido por Todd Coleman, da UC, em colaboração com John Rogers, da Universidade de Illinois.

"Provar a eficácia deste trabalho com os bebês que são muito frágeis também irá demonstrar que o dispositivo é robusto, mas mantém o conforto do paciente. Além disso, estamos visando reduzir as barreiras físicas entre os pais e seus bebês recém-nascidos em terapia intensiva, o que só pode ser benéfico", afirma Coleman.

A terapia intensiva neonatal trouxe avanços incríveis para a sobrevivência dos recém-nascidos criticamente doentes. O maior avanço foi a estabilização de bebês com problemas cardíacos e pulmonares.

Agora, especialistas estão concentrados em reduzir os problemas de desenvolvimento cognitivo e motor, que resultam de convulsões, reduções no fluxo sanguíneo para o cérebro e hemorragia cerebral.

Ao contrário de crises em adolescentes e adultos, onde a agitação de todo o corpo é visível, metade de todas as crises de recém-nascidos não apresenta sintomas claros e só pode ser detectada pelo monitoramento das ondas cerebrais.

Segundo os pesquisadores, a detecção precoce e mais confiável de crises epilépticas em recém-nascidos pode permitir aos médicos tratá-los de forma mais eficaz com medicação anticonvulsivante. "Quanto mais as crises de recém-nascidos permanecem sem tratamento, mais problemas elas podem causar a longo prazo no desenvolvimento cognitivo e motor. A tecnologia da "tatuagem" eletrônica se enquadra bem no dia a dia da UTIN. A questão toda é fornecer um diagnóstico mais precoce e a gestão em tempo real de convulsões para melhorar os resultados destas crianças", afirma a pesquisadora Mary J. Harbert.

Atualmente, os médicos de cuidados intensivos neonatais usam uma variedade de tecnologias para o monitoramento de recém-nascidos criticamente doentes, incluindo eletroencefalograma, ou EEG, o que requer o uso de gel condutor; ultrassom, que pode detectar mudanças na estrutura do cérebro devido à hemorragia e requer um técnico com habilidades especializadas; oxímetro, que mede a quantidade de oxigênio no sangue; e espectroscopia, que monitora o fluxo de sangue através de diferentes partes do cérebro.

O desafio é que estas medições não podem ser feitas simultaneamente e continuamente.

Segundo os pesquisadores, essas tecnologias reunidas em uma única "tatuagem" eletrônica podem fornecer dados contínuos e em tempo real sobre o que está acontecendo no cérebro do recém-nascido, além de fornecer uma visão sobre a forma como estas medições se relacionam entre si.

A equipe acredita que a abordagem pode permitir o aprendizado sobre o desenvolvimento do cérebro dos recém-nascidos através da sobreposição dessas tecnologias, melhorando os resultados globais de saúde para mães e bebês antes e depois do parto.

Para a primeira fase do projeto, a equipe está monitorando as ondas cerebrais de recém-nascidos prematuros para ver como os sensores do dispositivo detectam as crises convulsivas em relação às abordagens padrão. Eles pretendem, a longo prazo, examinar também as funções das mulheres durante o período de gestação.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Tatuagem eletrônica    Recém-nascidos    Sinais vitais    UTI    Universidade da Califórnia    Todd Coleman   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Tatuagem eletrônica    recém-nascidos    sinais vitais    UTI    Universidade da Califórnia    Todd Coleman   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.