Geral
publicado em 21/06/2012 às 12h25:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Marcello Casal Jr/ABr
Ruído do trânsito aumenta concentrações de hormônios do estresse no organismo, o que pode explicar maior risco de ataque cardíaco
  « Anterior
Próxima »  
Ruído do trânsito aumenta concentrações de hormônios do estresse no organismo, o que pode explicar maior risco de ataque cardíaco

A exposição ao barulho do tráfego perto das casas das pessoas aumenta o risco de ataque cardíaco. É o que sugere estudo de pesquisadores da Danish Cancer Society.

Os resultados revelam que para cada 10 decibéis de ruído ligado ao trânsito, o risco de infarto aumenta em 12%.

"Descobrimos que o ruído do tráfego é especialmente perigoso durante a noite porque perturba o sono. No entanto, todas as vezes que uma pessoa é exposta a altos níveis de ruído do trânsito isso aumenta as concentrações de hormônios do estresse no organismo, o que poderia explicar o maior risco de ataque cardíaco", afirma a pesquisadora Mette Sorensen.

Para o trabalho, os pesquisadores acompanharam mais de 50 mil participantes por quase 10 anos.

Eles pediram aos participantes para informar onde viviam e se alguma vez tinham tido ataque cardíaco, juntamente com outras informações, incluindo dietas e hábitos de atividade física. Os endereços dos participantes foram utilizados para avaliar o barulho que eles experimentavam.

Os pesquisadores também avaliaram fatores que podem afetar o risco dos participantes de ataque cardíaco, incluindo sexo, tabagismo, consumo de frutas, legumes e verduras, e índice de massa corporal.

Os resultados mostraram que quanto mais alto o ruído do tráfego perto das casas das pessoas, maior seu risco de sofrer um ataque cardíaco.

Enquanto a ligação entre a poluição sonora e risco de ataque cardíaco já foi demonstrada antes, o novo estudo é um dos primeiros a demonstrar uma correlação incremental entre ruído crescente e risco crescente. Estudos anteriores demonstraram que o risco aumentou em níveis de ruído acima de 60 decibéis, a pesquisa atual revela que o risco de infarto foi aumentando entre 40 e 80 decibéis.

Dez decibéis de ruído são suficientes para interromper uma conversa, enquanto 85 decibéis é o nível mínimo necessário para proteção da audição.

A razão exata para esta relação não é ainda conhecida, mas pode ser devido ao stress aumentada e perturbações do sono associadas com o ruído de tráfego elevado.

O perigo real com a poluição sonora é que a maioria das pessoas não percebe que está sendo influenciada por ela. "Uma pessoa pode acordar pensando que teve uma noite tranquila, mas quando analisamos o sono em laboratório, vemos que os estágios de sono foram perturbados", conclui Sorensen.

Veja mais detalhes sobre esta pesquisa (em inglês).

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Trânsito    Barulho    Poluição sonora    Danish Cancer Society    Mette Sorensen   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Trânsito    barulho    poluição sonora    Danish Cancer Society    Mette Sorensen   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.