Ciência e Tecnologia
publicado em 20/06/2012 às 10h25:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Discriminação sentida por adolescentes com base em sua classe social contribui para mudanças fisiológicas associadas com piores estados de saúde.

"Resultados do estudo sugerem que o estresse causado pela discriminação de classe social pode ser um fator importante para explicar a influência negativa da pobreza sobre a saúde", diz o autor do estudo Thomas Fuller-Rowell, da Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos. Estudo foi publicado online na revista Psychological Science.

A pesquisa analisou jovens de 17 anos inscritos em um estudo de longo prazo da Universidade Cornell (EUA) sobre a pobreza rural. A grande maioria dos 252 adolescentes analisados eram brancos, desta forma, o estudo não abordou a questão do racismo.

"Experiências de discriminação são muitas vezes sutis e a razão exata para o tratamento injusto muitas vezes não é claro para a vítima", diz Fuller-Rowell. Por estas razões, ao invés de perguntar aos participanttes se eles já haviam vivenciado situações de discriminação devido às suas origens sociais, o estudo mediu as percepções gerais de discriminação. A equipe de pesquisa fez, por exemplo, perguntas como: quantas vezes as pessoas te tratam diferente por causa de sua origem?

Em seguida, os pesquisadores coletaram amostras de urina durante a noite, e outros testes para avaliar o estresse sobre o corpo, incluindo as medidas de pressão arterial e de hormônios relacionados ao estresse, como: adrenalina, noradrenalina e cortisol. Juntos, esses fatores podem medir a carga alostática uma pessoa, termo que descreve mudanças negativas para a saúde causadas por exposição frequente ao estresse.

O estudo descobriu que os adolescentes que cresceram em situação de pobreza apresentavam níveis mais elevados de discriminação e que a discriminação, por sua vez, possuía relação com a carga alostática. Em outras palavras, quanto mais pobres eram os adolescentes, mais eles experimentavam discriminação e piores eram os resultados de saúde dos mesmos. O modelo de estudo de Fuller-Rowell sugere que 13% dos efeitos negativos da pobreza sobre à saúde podem ser atribuídos à discriminação percebida.

"Nossos resultados sugerem que o estigma associado com a pobreza pode levar à discriminação de classe, que, ao longo do tempo, pode afetar a saúde de um indivíduo", diz Fuller-Rowell.

Segundo o pesquisador, o estudo sugere alguns caminhos possíveis para ajudar crianças a lidarem com a discriminação. "Falar sobre isso nas escolas e nos meios de comunicação é um começo", conclui Fuller-Rowell.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Discriminação    classe social    classe social    alterações fisiológicas    uma saúde mais precária   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.