Geral
publicado em 10/06/2012 às 13h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Indiana University
Pesquisadores estudaram comportamento de aves selvagens de vida livre durante a época de reprodução para medir variações agressividade
  « Anterior
Próxima »  
Pesquisadores estudaram comportamento de aves selvagens de vida livre durante a época de reprodução para medir variações agressividade

Cientistas da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, descobriram que a variação na capacidade do cérebro em processar os hormônios esteroides prevê alterações no comportamento agressivo em ambos os sexos.

O trabalho, realizado com pássaros, pode ter amplas implicações para a melhor compreensão dos mecanismos pelos quais o comportamento agressivo pode evoluir.

Para o trabalho, Kimberly A. Rosvall e seus colegas estudaram o comportamento agressivo de aves selvagens.

Eles descobriram relações fortes e significativas entre o comportamento agressivo dos animais e a abundância de RNA mensageiro em áreas do cérebro ligadas ao processamento de três moléculas ligadas aos hormônios sexuais esteroides: receptor de andrógeno, o receptor de estrogênio e a aromatase.

"Vimos que aves selvagens têm níveis variados de agressão e que aqueles mais agressivos expressam altos níveis de genes associados ao processamento de testosterona no cérebro. Acreditamos que a capacidade do cérebro para processar os esteroides pode ser responsável por diferenças individuais nos comportamentos mediados por hormônios", observa Rosvall.

"Por um lado, temos muitas evidências que sugerem que a testosterona é importante na evolução de todos os tipos de traços. Por outro lado, sabemos que a variação individual é uma exigência para a seleção natural, mas a variação individual nos níveis de testosterona nem sempre preveem o comportamento. Esse enigma levou a debate entre os pesquisadores sobre como traços mediados por hormônios evoluem", destaca Rosvall.

A equipe então mediu a variação natural da agressividade entre machos e fêmeas de um pardal norte-americano do gênero Junco hyemalis no início da época de reprodução.

Ao comparar as diferenças individuais na agressividade com os níveis circulantes de testosterona e de expressão gênica neural para três grandes moléculas ligadas ao processamento de esteroides sexuais, os pesquisadores foram capazes de quantificar as medidas de sensibilidade à testosterona em áreas do cérebro socialmente relevantes: o hipotálamo, o telencéfalo ventromedial e o telencéfalo posterior direito.

Os resultados sugerem que a seleção natural poderia moldar a evolução da agressão através de mudanças na expressão do receptor de andrógeno, o receptor de estrogênio e da aromatase em machos e fêmeas, em algum grau, independentemente dos níveis circulantes de testosterona.

Eles descobriram, por exemplo, que os machos que cantam mais músicas quando há um invasor têm mais mRNA para aromatase e receptores de estrogênio no telencéfalo posterior.

Segundo os pesquisadores, encontrar tais relações fortes entre o comportamento e a variação individual na expressão de genes relacionados ao processamento do hormônio estrogênio é emocionante, pois eles acreditam que a evolução poderia moldar o comportamento através de alterações na expressão destes genes.

Veja mais detalhes sobre esta pesquisa (em inglês).

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Agressividade    Hormônios sexuais    Universidade de Indiana    Kimberly A. Rosvall   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Agressividade    hormônios sexuais    Universidade de Indiana    Kimberly A. Rosvall   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.