Saúde Pública
publicado em 08/06/2012 às 20h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: CDC
Proteínas dentro do mosquito transmite sinal que permite que o inseto combata a infecção do parasita da malária
  « Anterior
Próxima »  
Proteínas dentro do mosquito transmite sinal que permite que o inseto combata a infecção do parasita da malária

Pesquisadores do Johns Hopkins Malaria Research Institute, nos Estados Unidos, descobriram um 'circuito' do sistema imune capaz de matar o parasita da malária no mosquito transmissor.

O trabalho, publicado na revista PLoS Pathogens, pode levar à criação de mosquito resistentes à doença, que mata mais de 800 mil pessoas em todo o mundo a cada ano, grande parte crianças.

Os investigadores são os primeiros a determinar a função de uma série de proteínas dentro do mosquito que transmite um sinal que permite que o mosquito combata a infecção do parasita da malária. Juntas, estas proteínas são conhecidas como via Imd, e se dispõem de forma análoga a um circuito eléctrico.

À medida que cada fator é ligado ou desligado isso desencadeia ou inibe o próximo, conduzindo finalmente ao lançamento de uma resposta imune contra o parasita da malária.

Para conduzir o estudo, George Dimopoulos e seus colegas usaram um método de interferência de RNA para 'desligar' os genes da via Imd. Conforme os componentes foram inativados, os pesquisadores puderam observar como a resistência do mosquito à infecção do parasita mudava.

"Imagine uma série de luzes de Natal ou outro circuito que não vai funcionar quando as peças não estão alinhadas na sequência correta. É assim que estamos trabalhando com o sistema imunitário do mosquito. Nós manipulamos os componentes moleculares do sistema imunológico do mosquito para identificar as peças necessárias para matar os parasitas da malária", explica Dimopoulos.

O estudo recente se baseia em um trabalho anterior da equipe que mostrou que silenciar um gene deste circuito, o Caspar, ativou REL2, um fator de transcrição da via Idm do mosquito Anopheles gambiae.

A ativação de REL2 liga os fatores TEP1, APL1 e FBN9 que matam o parasita causado da malária no intestino do mosquito.

O presente estudo descobriu o sinal de transdução da via Idm que interfere em uma redução bem sucedida de infecção parasitária na sua fase mais precoce, bem como na fase posterior quando os níveis de infecção são semelhantes aos encontrados na natureza.

"Identificar e compreender como todo o trabalho do sistema imune do mosquito é fundamental para a manipulação da via Idm como uma intervenção para controlar a malária. Nós agora sabemos que os genes podem ser manipulados através da engenharia genética para criar mosquitos resistentes à malária", observa Dimopoulos.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Malária    Anopheles gambiae    mosquito transmissor    Johns Hopkins Malaria Research Institute    George Dimopoulos   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.