Geral
publicado em 23/05/2012 às 18h05:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: UMDNJ
Assistente de pesquisa, no laboratório de Robert Nagele, durante o processo de investigação do estudo
  « Anterior
Próxima »  
Assistente de pesquisa, no laboratório de Robert Nagele, durante o processo de investigação do estudo

Pesquisadores dos Estados Unidos descobriram que detritos liberados por células cerebrais danificadas e mortas dão origem a anticorpos específicos que podem facilitar o diagnóstico do Alzheimer e de outras doenças neurológicas.

A pesquisa publicada no Journal of Autoimmunity sugere que esses anticorpos agem como biomarcadores e também podem indicar a presença de outras doenças neurodegenerativas.

Os investigadores da University of Medicine and Dentistry of New Jersey-School of Osteopathic Medicine também identificaram um mecanismo chave no desenvolvimento da doença de Alzheimer que reflete um processo comum em doenças autoimunes, tais como artrite reumatoide.

"Descobrimos que a liberação de proteínas por neurônios mortos e danificados desencadeia a produção de auto-anticorpos reativos no cérebro contra esses detritos, uma resposta semelhante à observada em algumas doenças autoimunes", afirma o líder da pesquisa Robert Nagele.

Os pesquisadores se concentraram sobre o papel das enzimas, chamadas PADs, na citrulinação, um processo que converte um tipo de aminoácido em outro.

Depois de examinar o tecido cerebral humano post mortem de indivíduos com doença de Alzheimer e controles saudáveis, os pesquisadores descobriram que neurônios localizados na área do cérebro afetada pela doença de Alzheimer acumulam ambas as proteínas citrulinadas e uma enzima PAD.

Os resultados sugerem que quando as células neuronais morrem, elas liberam seus conteúdos no líquido que envolve o cérebro. Os detritos celulares, em seguida, entram na corrente sanguínea e sua presença gera a produção de anticorpos específicos que os atacam.

Segundo os pesquisadores, este processo de citrulinação da mesma proteína também tem sido associado ao desenvolvimento de auto-anticorpos na artrite reumatoide, uma das formas mais comuns de doença autoimune.

"Nossos estudos fornecem evidências de que alguns desses auto-anticorpos podem retornar para o cérebro através de brechas na barreira sangue-cérebro. Uma vez que eles retornam, eles se ligam seletivamente às superfícies dos neurônios, interrompendo a função das células cerebrais e acelerando a acumulação de depósitos de beta amiloide, Acreditamos que esse ciclo ajuda a explicar a degeneração progressiva que resulta da doença de Alzheimer", conclui o pesquisador Nimish Acharya.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Alzheimer    doenças neurológicas    detritos celulares    neurônios    auto-anticorpos    University of Medicine and Dentistry of New Jersey-School of Osteopathic Medicine   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.