Saúde Pública
publicado em 13/04/2012 às 20h28:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Tolerância zero para a mistura álcool e direção. Esta é a proposta da Ordem dos Advogados do Brasil Seção de São Paulo (OAB-SP) e da Associação Paulista de Medicina (APM), defendida hoje (13) no fórum sobre uso abusivo do álcool no trânsito. As entidades criticam o Projeto de Lei nº 5.607/09, aprovado na Câmara Federal na quarta-feira (11), que mantém o limite de 0,6 gramas por litro (g/l) de álcool no sangue para caracterizar embriaguez de motoristas. Para as entidades, a única forma de tornar a Lei Seca aplicável é não fixar limites toleráveis para consumo de bebidas alcoólicas.

O presidente da Comissão de Estudos sobre o Sistema Viário da OAB, Maurício Januzzi, explica que as provas testemunhais e os exames clínicos ainda poderão ser questionados na Justiça, pois não têm como confirmar o descumprimento dos limites de tolerância definidos pela lei. " Somente a comprovação de um consumo alcoólico ao volante igual ou maior de 0,6g/l pode configurar crime de trânsito, atualmente" , disse o advogado.

Na prática, o motorista não é obrigado a fazer o teste de bafômetro ou exame de sangue, os únicos capazes de acusar o teor alcoólico do motorista com precisão. O exame clínico, por sua vez, não precisa de consentimento do condutor. "É um exame passivo, baseado na observação médica. É muito difícil contestá-lo. É a prova mais cabível pra essa espécie de fato criminoso" , explicou Januzzi.

Além das questões jurídicas, os argumentos da OAB e da APM levam em consideração estudos como o da Universidade Federal do Rio de Janeiro (FRJ), que revelam que em 75% das mortes em acidentes de trânsito, a vítima tinha ingerido bebida alcóolica. Desse total, 38,3% apresentavam níveis entre 0,1 e 0,59g/l de álcool no sangue, inferior ao limite estabelecido pela lei.

As entidades, juntamente com organizações da sociedade civil, pretendem reunir 1,3 milhão de assinaturas para um projeto de lei de iniciativa popular que endurece a Lei Seca. A proposta prevê o fim da infração administrativa, o exame clínico como única prova para atestar embriaguez e penas que variam de um a três anos de prisão para quem dirigir bêbado, com possibilidade de prestação de serviços comunitários. " Dessa forma, dirigir embriagado seria crime e pronto" , defende o advogado.

De acordo com o presidente da APM, Florisval Meinão, " esse é um tema que precisa ser tratado em todos os níveis, tanto do governo, que deve garantir a fiscalização e a punição, mas, também, da sociedade civil. Temos uma cultura que não criminaliza socialmente o consumo de álcool ao volante. Nossa intenção é contribuir para mudar esses hábitos mudem ao longo do tempo" , aposta o presidente.

Fonte: AGÊNCIA BRASIL
   Palavras-chave:   Lei Seca    Alcoolismo    Associação Paulista de Medicina    OAB    Ordem dos Advogados do Brasil   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Lei Seca    alcoolismo    Associação Paulista de Medicina    OAB    Ordem dos Advogados do Brasil   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.