Ciência e Tecnologia
publicado em 04/04/2012 às 12h42:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Uma equipe liderada por cientistas do Scripps Research Institute, nos Estados Unidos, descobriu anticorpos que podem prevenir a infecção por diferentes cepas do vírus da hepatite C (HCV) em cultura de células e modelos animais.

Elevada taxa de mutação do HCV normalmente o ajuda a escapar do sistema imunológico de seu hospedeiro. Os anticorpos recém-descobertos, no entanto, atacam partes do envelope viral que raramente sofrem mutação. Um dos novos anticorpos, o AR4A, mostra a mais ampla atividade neutralizante do HCV do que qualquer anticorpo anti-HCV relatado anteriormente.

"Esses anticorpos se ligam aos locais no envelope viral até então desconhecidos, mas que agora representam alvos promissores para o desenvolvimento de uma vacina contra o HCV", diz Mansun Law, autor do relatório publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

Vacina necessária

Uma vacina eficaz HCV é necessária. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que o vírus tenha estabelecido principalmente infecções silenciosas em 130 a 170 milhões de pessoas em todo o mundo-quase 3% da população mundial e se espalha para 3 a 4 milhões de novas pessoas a cada ano.

O tratamento corrente principal contra a infecção envolve de 12 a 36 semanas de administração de uma proteína imuno-estimulantes de interferão-alfa, a droga antiviral ribavirina e HCV bloqueador de protease. No entanto, a abordagem não é completamente eficaz, provoca efeitos colaterais adversos, além de ser cara.

Para erradicar totalmente a pandemia HCV, especialmente em países em desenvolvimento, os cientistas precisam desenvolver uma vacina preventiva barata. Tarefa que não tem sido fácil, pois o vírus realiza mutações muito rapidamente e, assim, os anticorpos desenvolvidos contra o HPV não oferecem proteção contra uma infecção subsequente.

Procurando vulnerabilidades

Para encontrar pontos vulneráveis na infecção por HPV, os pesquisadores analisam amostras de anticorpos de pessoas infectadas e verificam aqueles capazes de neutralizar uma ampla gama de cepas virais. As localizações no vírus onde esses anticorpos neutralizantes se ligam marcam as estruturas vulneráveis que podem ser usadas como base para o desenvolvimento de uma nova vacina contra a hepatite.

Estudos anteriores, incluindo uma pesquisa liderada por Law em 2008 publicada na revista Nature Medicine, encontraram alguns anticorpos amplamente neutralizantes HCV.

Mas para o presente estudo, Law e sua equipe usaram uma abordagem mais profunda, conhecida como "exhaustive panning", com objetivo de encontrar novos anticorpos neutralizantes. Segundo Law, a técnica é eficaz para encontrar anticorpos que podem passar despercebidos.

O HCV emprega um complexo de duas glicoproteínas do envelope, E1 e E2, para agarrar e se fundir com as células-alvo. Erick Giang, assistente de pesquisa no laboratório de Law, colheu este complexo viral E1 - E2 de uma procuçãode células de HCV produzidas em laboratório e usadas como isca para um painel de anticorpos derivados do sangue de uma pessoa com infecção crônica de HCV.

Desta forma, Giang catalogou 73 novos anticorpos anti-HCV, que se ligam a cinco regiões antigénicas distintas sobre o complexo E1-E2. Em testes celulares padrão de cultura da capacidade HCV-neutralizante, vários destes anticorpos demonstraram capacidade de neutralizar a infecção por uma vasta gama de estirpes de HCV.

Um AR4A se voltou para fora para se ligar a um local quase-invariável no complexo E1-E2, perto da superfície do revestimento exterior do vírus de moléculas de gordura. O AR4A mostrou capacidade neutralizante significativa contra todas as 22 estirpes de HCV em um teste de painel, não somente em testes realizados no laboratório de La,como também em testes de confirmação realizados pela Universidade de Copenhagen.

Ampla atividade neutralizante

O novo anticorpo, portanto, é mais amplamente protetor do que o mais potente contendor anterior, o AR3A, o qual Law descreveu em seu estudo de 2008. "O anticorpo humano AR4A tem a mais ampla actividade HCV-neutralizante conhecida até então", diz o cientista.

Pesquisadores colaboradores da Universidade Rockefeller, que recentemente desenvolveram uma linha de camundongos HCV-infectáveis, mostraram que anticorpos AR4A protegeram estes ratos a partir de duas estirpes muito diferentes do VHC. Uma combinação de meias-doses de anticorpos AR3A e AR4A apresentaram piores resultados.

O próximo passo para Law e seus colegas é iniciar o desenvolvimento e testes de protótipos de vacinas com base nos locais vulneráveis do HCV, revelados por estes estudos de anticorpos. Os pesquisadores também planejam usar os novos anticorpos para estudar a estrutura e função de proteínas do HCV, como as do complexo E1-E2.

Anticorpos anti-HCV, tais como AR4A e AR3A também apresentam potencialidade para outros usos terapêuticos. Segudo os pesquisadores, eles podem ser úteis na prevenção de novas infecções do fígado em pacientes submetidos a transplante de fígado.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Anticorpos    As estirpes de vírus da hepatite C    O HCV    Vaccine    Vacina Metas   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
anticorpos    as estirpes de vírus da hepatite C    o HCV    Vaccine    Vacina Metas   
Comentários:
Comentar
Marina Poloni
postado em:
26/06/2012 01:20:33
"Para erradicar totalmente a pandemia HCV (...)os anticorpos desenvolvidos contra o HPV não oferecem proteção contra uma infecção subsequente". "Para encontrar pontos vulneráveis na infecção por HPV (...)para o desenvolvimento de uma nova vacina contra a hepatite". Nos excertos do texto acima não seria correto dizer HPC no lugar de HPV, uma vez que aquele refere-se ao vírus da hepatite C (assunto da reportagem) e este ao papiloma humano vírus (HPV). A sigla está utilizada incorretamente.
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.