Ciência e Tecnologia
publicado em 18/03/2012 às 14h57:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Pesquisadores do Kimmel Cancer Center na Thomas Jefferson University , nos Estados Unidos, demonstraram pela primeira vez que o biomarcador metabólico MCT4 liga diretamente os resultados clínicos a um novo modelo de metabolismo do tumor que faz com que os pacientes "alimentem" suas células cancerosas. Suas descobertas foram publicadas online no dia 15 de março na Cell Cycle.

Para validar o valor prognóstico do biomarcador, uma equipe de pesquisa liderada pela professora de Patologia, Anatomia e Biologia Celular Agnieszka K. Witkiewicz e Michael P. Lisanti, professor de Biologia de Células-Tronco e de Medicina Regenerativa, analisou amostras de pacientes com câncer de mama triplo negativo, um dos cânceres da mama mais mortais, com tumores de crescimento rápido que muitas vezes afetam as mulheres mais jovens.

Uma análise retrospectiva de mais de 180 mulheres revelou que os níveis elevados do biomarcador MCT4, ou transportador monocarboxilato 4, estavam estritamente correlacionados com uma perda de caveolina-1 (CAV-1), um marcador conhecido da recorrência precoce dos tumores e metástases em vários cânceres, incluindo o de próstata e o de mama.

"A ideia é que o MCT4 é um marcador metabólico para um novo modelo de metabolismo do tumor e que os pacientes com este tipo de metabolismo estão alimentando suas células cancerosas. Ele é letal e resistente à terapia atual. A importância desta descoberta é que o MCT4, pela primeira vez, liga diretamente o resultado clínico ao metabolismo do tumor, permitindo-nos desenvolver drogas anti-câncer novas e mais eficazes", disse Lisanti.

Analisando as amostras humanas de câncer de mama, a equipe descobriu que as mulheres com altos níveis de MCT4 estromal e com uma perda de estroma Cav-1 apresentaram uma pior sobrevida global, consistente com um maior risco de recorrência e metástase, e de falha no tratamento.

Aplicando a uma tripla ameaça

Hoje em dia, nenhum marcador como estes e aplicado nos cuidados do câncer de mama triplo negativo e, como resultado, os pacientes são tratados da mesma maneira. Identificar os pacientes que estão em alto risco de não obter sucesso na quimioterapia padrão e os resultados mais pobres poderia ajudar a encaminhá-los mais cedo para os ensaios clínicos que exploram novos tratamentos, o que poderia, em última análise, melhorar a sobrevivência.

"A ideia é combinar estes dois biomarcadores, e estratificar esta população de pacientes para fornecer um melhor tratamento personalizado do câncer", disse Witkiewicz.

Os resultados sugerem que, quando usado em conjunto com o biomarcador estromal CAV-1, que os autores dizem ter sido validado independentemente por seis outros grupos em todo o mundo, o MCT4 pode ainda estratificar o grupo de risco intermediário em alto e baixo risco.

Como o MCT4 é um novo alvo para o qual se desenvolveram drogas, os pesquisadores também sugerem que inibidores do MCT4 devem ser desenvolvidos para o tratamento de cânceres da mama agressivos, e possivelmente de outros tipos. Tratar os pacientes com um inibidor do MCT4, ou mesmo com antioxidantes simples, pode ajudar a tratar pacientes de alto risco que, de outra forma, não poderiam responder positivamente ao tratamento convencional, sugerem os pesquisadores.

Mudança de Paradigma

Mas o trabalho vai além do câncer da mama triplo negativo, desafiando uma teoria de 85 anos de idade, sobre o crescimento e a progressão do câncer.

Este artigo é a prova clínica que estava faltando para a mudança de paradigma da "antiga teoria do câncer" para a "nova teoria do câncer", conhecida como o "Efeito de Warburg reverso" disse Lisanti. A nova teoria é de que a glicólise aeróbica na verdade ocorre nos fibroblastos associados aos tumores, e não nas células cancerosas, como as antigas teorias postulam.

As células do tecido conjuntivo (fibroblastos) "alimentam" diretamente as células cancerosas, dando-lhes um crescimento claro e vantagem de sobrevivência. Novas terapias personalizadas cortariam o "fornecimento de combustível" para as células cancerosas, impedindo o crescimento do tumor e a metástase.

Fonte: New York Unitversity
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
metabolismo do tumor    biomarcador metabólico MCT4    células cancerosas    prognóstico    câncer de mama   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.