Saúde Pública
publicado em 13/10/2009 às 14h56:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Rubens Silva/MS
Reunião Sociedade Brasileira de Pediatria com José Gomes Temporão e Dioclécio Campos Júnior
  « Anterior
Próxima »  
Reunião Sociedade Brasileira de Pediatria com José Gomes Temporão e Dioclécio Campos Júnior

O Nordeste e a Amazônia Legal receberão um reforço no atendimento às crianças. A partir de agora, os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) deverão ter a presença de pediatras, segundo recomendação da portaria nº 2.281, publicada pelo Ministério da Saúde nesta semana. A região é o foco do Ministério para a redução da mortalidade infantil. Um pacote de R$ 110 milhões, anunciado neste ano, está estruturando a rede de atendimento dessa população. As medidas anunciadas incluem a implantação de 460 novos NASF nos 17 estados contemplados no Pacto Pela Redução da Mortalidade Infantil.

"É uma medida extremamente importante porque articula a presença dos pediatras nos NASF com a prioridade de redução da mortalidade materno-infantil na Amazônia Legal e Nordeste. A portaria integra nosso esforço em construir, qualificar, aperfeiçoar e responder as demandas e necessidades da população brasileira na área de saúde" , disse o ministro da Saúde, José Gomes Temporão.

Os NASF funcionam como policlínicas que dão suporte ao trabalho desenvolvido pelas equipes de Saúde da Família. Essas equipes desenvolvem ações de promoção da saúde, prevenção, recuperação, reabilitação e agravos mais frequentes, alem da manutenção da saúde das pessoas atendidas. Em todo o País há 639 NASF em funcionamento, dos quais 362 estão localizados nas regiões Norte e Nordeste.

A publicação da Portaria reforça a prioridade dada pelo governo federal à redução da mortalidade infantil, especialmente no Nordeste e na Amazônia Legal, regiões com os piores indicadores nessa área. Entre 2000 e 2007, no Brasil, morreram quase 444 mil crianças menores de um ano de idade. No Nordeste, foram mais de 144 mil e na Amazônia Legal (incluindo o Maranhão), cerca de 77mil. Nas duas regiões, o número de óbitos somou cerca de 221 mil ou quase 50% do total nacional.

Apesar do grande número de óbitos nas duas regiões, a taxa de mortalidade infantil no Brasil mantém tendência contínua de queda desde 1990. Passou de 47,1 óbitos por cada mil bebês nascidos vivos para 19,3 mortes, em 2007 - o que representou uma redução média de 59,7%. Atualmente, o Brasil, em um grupo de 68 países, está entre os 16 em condições de atingir a quarta meta dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e chegar à taxa aceitável de 14,4 mortes por cada mil nascidos vivos, em 2012, três anos antes da data-limite fixada pela Organização das Nações Unidas, em 2000, ano em que instituiu os oito ODMs.

Além da recomendação de inclusão de pediatras nos NASF, o Ministério da Saúde está lançando um projeto piloto para construir novas ofertas de cuidado humanizado à saúde e fortalecer aquelas tradicionalmente dirigidas a mulheres e crianças.

Por meio da Estratégia Brasileirinhas e Brasileirinhos Saudáveis, o objetivo é aprimorar o vínculo, o crescimento e desenvolvimento integral da criança de zero a cinco anos. O projeto piloto contemplará uma cidade com mais de 100 mil habitantes de cada região: Rio Branco, no Norte; Recife, no Nordeste; Campo Grande, no Centro-Oeste; Rio de Janeiro, no Sudeste; Florianópolis, na região Sul.

" Este é um momento significativo para a Pediatria brasileira. É uma área que nasceu médico-científica, mas, ao longo de sua história envolveu-se com a causa da infância e da adolescência do País" , afirmou o presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria, Dioclécio Campos Júnior.

As medidas mais recentes do Ministério em atenção à saúde das crianças inclui ainda a instituição da Semana Mundial da Amamentação no Brasil, como propósito de promover, proteger e apoiar o aleitamento materno. No Brasil, as comemorações passam, portanto, a acompanhar o calendário internacional anualmente, que estabelece a semana de amamentação entre os dias 1º e 7 de agosto. O aumento nas taxas de aleitamento materno é um dos fatores com impacto direto no declínio da mortalidade infantil.

Fonte: MINISTÉRIO DA SAÚDE
   Palavras-chave:   SUS    Mortalidade infantil    NASF    José Gomes Temporão   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
SUS    mortalidade infantil    NASF    José Gomes Temporão   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.