Geral
publicado em 08/03/2012 às 11h56:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

O risco de morte por insuficiência cardíaca é menor entre as mulheres do que entre os homens. É o que revela uma pesquisa publicada pela European Society of Cardiology.

Os dados mostram que os homens tiveram um risco 31% maior de morte do que as mulheres e que o gênero masculino foi fator de risco independente para a morte dentro de três anos.

Para o trabalho, os pesquisadores analisaram dados de 31 estudos aleatórios e observacionais envolvendo 28,052 homens e 13,897 mulheres com insuficiência cardíaca crônica.

A equipe, que avaliou a sobrevivência dos participantes ao longo de três anos de seguimento, mostrou que 25,3% das mulheres e 25,7% dos homens morreram.

Quando ajustado para idade, no entanto, os resultados mostraram que os homens tiveram um risco 31% maior de morte do que as mulheres e que o gênero masculino foi fator de risco independente para a morte dentro de três anos.

Este risco maior de mortalidade associado ao sexo masculino foi de magnitude semelhante em pacientes com a capacidade do lado esquerdo do coração de bombear o sangue, conhecida como fração de ejeção, reduzida ou preservada.

Outros resultados do estudo mostraram que as mulheres com insuficiência cardíaca crônica são, em média, mais velhas do que os homens, são mais susceptíveis de ter um histórico de hipertensão e diabetes, mas que sua insuficiência cardíaca é menos susceptível de ter origem isquêmica, ou seja, reduzido suprimento de sangue.

"Este estudo demonstrou claramente que a sobrevivência é melhor para as mulheres com insuficiência cardíaca do que para os homens, independentemente da fração de ejeção, idade ou outras variáveis", afirma o primeiro autor da pesquisa Manuel Martinez-Selles.

Segundo os pesquisadores, este benefício de sobrevivência é inerente ao sexo feminino e há um número de possíveis explicações para os melhores resultados em mulheres. O coração do sexo feminino parece responder a lesão de forma diferente do coração do sexo masculino. Por exemplo, as mulheres têm menos remodelação ventricular, maior preservação da função ventricular direita, e maior proteção contra arritmias ventriculares. Algumas dessas vantagens podem ser relacionadas à gravidez e a diferenças na expressão genética.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Insuficiência cardíaca    gênero feminino    European Society of Cardiology    Manuel Martinez-Selles   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.