Ciência e Tecnologia
publicado em 28/02/2012 às 18h04:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Massachusetts General Hospital
Denise Faustman, diretora dp MGH Immunobiology Laboratory e líder da pesquisa
  « Anterior
Próxima »  
Denise Faustman, diretora dp MGH Immunobiology Laboratory e líder da pesquisa

A produção de insulina pode persistir por décadas no organismo humano após o início do diabetes tipo 1. A descoberta é de pesquisadores do Massachusetts General Hospital, nos Estados Unidos.

Os resultados, publicados na revista Diabetes Care, sugerem ainda que o funcionamento das células beta parece ser preservado alguns anos após a perda aparente de função pancreática, levando os cientistas a acreditar que elas poderiam ser regeneradas no futuro.

No diabetes do tipo 1, os leucócitos interpretam que as células beta do pâncreas são corpos estranhos e estas, por sua vez, passam a ser atacadas pelos anticorpos, reduzindo a produção de insulina.

No estágio inicial da doença, as ilhotas de Langerhans agem para liberar uma quantidade de insulina, mas como também são atacadas, ao longo do tempo o corpo deixa de produzir insulina em quantidade suficiente.

Segundo os resultados da nova pesquisa, essa teoria pode estar equivocada.

A equipe, liderada por Denise Faustman, avaliou amostras de sangue de 182 indivíduos com diabetes tipo 1 utilizando um teste ultra-sensível para peptídeo C, um marcador da secreção de insulina, para testar a função residual das células beta.

O estudo revelou que a produção de peptídeo C pode persistir por décadas após o início da doença e permanece sensível aos níveis de açúcar no sangue. Embora os níveis de peptídeo C foram menores entre os que tiveram maior duração do diabetes, a diminuição ao longo do tempo foi gradual e não abrupta como era previsto pelo conhecimento convencional da diabetes tipo 1.

Faustman também detectou a mesma proteína em 10% dos diabéticos diagnosticados com a doença entre 31 e 40 anos atrás.

Segundo a pesquisadora, isso mostra que os diabéticos poderiam restabelecer a produção de insulina para níveis normais, por meio de uma recuperação das células produtoras de insulina da mesma forma como tem sido feito com as células-tronco.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Diabetes tipo 1    Insulina    Células beta    Massachusetts General Hospital    Denise Faustman   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Diabetes tipo 1    insulina    células beta    Massachusetts General Hospital    Denise Faustman   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.