Ciência e Tecnologia
publicado em 25/02/2012 às 09h45:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: UC Santa Barbara
Ania Bleszynski Jayich, professora de Física e pesquisadora envolvida no estudo
  « Anterior
Próxima »  
Ania Bleszynski Jayich, professora de Física e pesquisadora envolvida no estudo

Pesquisadores da University of California, nos Estados Unidos, desenvolveram uma nova técnica que pode permitir a realização de ressonância magnética em escala nanométrica.

Os resultados, publicados na revista online Science Express, sugerem que a abordagem tem potencial para fornecer imagens tão pequenas quanto a da estrutura de proteínas, um dos objetivos primordiais da biologia estrutural.

A líder da pesquisa, Ania Bleszynski Jayich e seus colegas passaram um ano trabalhando em um experimento que acoplou centros vácuos de nitrogênio em diamantes com ressonadores nanomecânicos. O projeto serviu de base para o novo trabalho dos cientistas.

Um centro vácuo de nitrogênio (NV) é um defeito específico no diamante que exibe um comportamento quântico magnético conhecido como spin. Quando um único spin no diamante é acoplado com um ressonador mecânico magnético, dispositivo usado para gerar ou selecionar frequências específicas, ele revela o potencial para criar uma nova técnica sensorial em nanoescala com implicações para a biologia e tecnologia.

Entre as possíveis aplicações futuras dessa técnica está a ressonância magnética em uma escala pequena o suficiente para capturar imagens da estrutura de proteínas, um dos objetivos primordiais da biologia estrutural.

Segundo os pesquisadores, a mesma física que permite que o NV detecte o campo magnético do ressonador vai permitir a ressonância magnética em nanoescala.

"Vamos poder tornar a ressonância magnética mais precisa, e capaz de capturar mais detalhes. É como ter uma câmera com oito megapixels contra uma com dois megapixels e tirar uma foto do rosto de alguém. Essa é a ideia, queremos ver do que uma proteína é composta", explica Jayich.

A equipe acredita que o trabalho sugere que a ressonância magnética em uma escala mínima é possível, embora uma quantidade significativa de trabalho ainda precisa ser feito.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Ressonância magnética    ressonância magnética em escala nanométrica    nanoescala    University of California    Ania Bleszynski Jayich   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.