Ciência e Tecnologia
publicado em 26/02/2012 às 12h56:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Uma pesquisa da University of Texas at Dallas está revelando uma nova informação sobre o papel de uma proteína essencial no desenvolvimento do autismo, da epilepsia e de outras desordens neurológicas. Este trabalho tem potencial para levar a novos tratamentos contra estas condições.

O estudante senior de neurociência Francisco Garcia trabalhou em estreita colaboração com o Dr. Marco Atzori, professor associado da School of Behavioral and Brain Sciences (BBS), em vários artigos que expõem as suas conclusões sobre a interleucina 6 (IL-6) e a hiper excitabilidade.

Os cientistas sabem que o estresse eleva os níveis de citocinas pró-inflamatórias (moléculas de sinalização utilizadas na comunicação intercelular) e promove condições hiper-excitáveis dentro do sistema nervoso central. Esta hiper-excitabilidade é considerada um fator de distúrbios do autismo, epilepsia e ansiedade.

Garcia e Atzori lançaram a hipótese de que a proteína IL-6 induz de forma aguda e direta a hiper-excitabilidade ao alterar o equilíbrio entre a excitação e a inibição dentro da comunicação sináptica. Em outras palavras, a IL-6 não está apenas presente quando a hiper-excitabilidade ocorre no sistema nervoso. Ela pode, na verdade, ser a causadora disso em algumas circunstâncias, disse Garcia.

A equipe de pesquisa administrou a IL-6 para o tecido cerebral de um rato e monitorou sua excitabilidade sináptica. O tecido cerebral apresentou uma excitabilidade maior do que a normal nas suas sinapses, um sintoma que pode levar a disparar sinais de forma errada na epilepsia e em outras condições.

Os pesquisadores então injetaram o sgp130-um novo medicamento que atua como bloqueador da IL-6 nos cérebros dos animais de laboratório. A substância limitou a excitabilidade e pareceu evitar as condições que levam a distúrbios neurológicos e psiquiátricos relacionados, disse Garcia.

"Esta descoberta tem o potencial de levar a eventuais novos tratamentos para a epilepsia, para os transtornos de ansiedade ou para o autismo", disse Garcia.

A próxima etapa de sua pesquisa envolverá observar como a IL-6 pode afetar o desenvolvimento de outros tipos de problemas neurológicos. Testes em humanos poderiam surgir no futuro.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Doenças neurológicas    Interleucina 6    Epilepsia    Autismo    Transtornos de ansiedade   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
doenças neurológicas    interleucina 6    epilepsia    autismo    transtornos de ansiedade   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.