Geral
publicado em 03/02/2012 às 12h24:00
   Dê o seu voto:

EFE  
tamanho da letra
A-
A+
Foto: EFE/Arquivo
O ex-atacante Ronaldo durante a Copa do Mundo da França em 1998
  « Anterior
Próxima »  
O ex-atacante Ronaldo durante a Copa do Mundo da França em 1998

O ex-atacante Ronaldo não sofreu um ataque epilético antes da final da Copa do Mundo da França em 1998, quando a seleção brasileira perdeu para os anfitriões por 3 a 0, mas sim uma crise cardíaca, afirmou o cardiologista italiano Bruno Caru, médico da Inter de Milão.

Em entrevista ao canal "Mediaset", o médico italiano revela que o ex-atacante da seleção brasileira foi mal diagnosticado e, por isso, recebeu uma medicação inadequada. Para Caru, era visível o mal-estar do jogador durante e depois da final.

Caru assegura ter examinado toda a documentação médica recolhida por Piero Volpi, médico enviado a Paris pelo Inter de Milão para acompanhar o jogador na concentração brasileira antes da final. "Ocorreu que Ronaldo se deitou para assistir o GP de Fórmula1 e, sem se dar conta, torceu a cabeça de um modo antinatural, comprimindo na altura do pescoço o glomus carotídeo, um pequeno órgão responsável pelos mecanismos reflexos da regulação da frequencia cardíaca e da pressão", afirma o cardiologista.

Segundo Caru, Ronaldo teve uma baixa repentina na freqüência cardíaca e na pressão arterial, o que acabou provocando seu desmaio. "O jogador foi submetido a uma série completa de provas, mas, um neurologista não perde tempo estudando um eletrocardiograma. No entanto, quando o médico de Inter voltou de Paris com todos os exames, passamos a estudar o caso minuciosamente", indica

"O eletrocardiograma feito no hospital mostra como Ronaldo, uma vez superada a crise, tinha uma frequencia cardíaca de 18 pulsações por minuto. Isto significa que no momento da crise tinha estado praticamente sem atividade elétrica e mecânica do coração" , afirma Caru.

Caru também assegura que os médicos que atenderam Ronaldo na ocasião se posicionaram a favor da hipótese de uma crise epilética e fornceram ao jogador " um medicamento potente, ótimo para o caso, mas não para problemas cardíacos" , por se tratar de um sedativo muito forte. Isso justificaria a atuação de Ronaldo em jogo.

A escalação de Ronaldo para a final da Copa do Mundo da França chegou a questionar a postura dos médicos da seleção e acabou gerando um clima tenso antes da partida.

Fonte: EFE
   Palavras-chave:   Ronaldo    Futebol    Copa do mundo    França    Ataque cardíaco    Disgnóstico    Epilepsia    Inter de milão   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Ronaldo    futebol    copa do mundo    França    ataque cardíaco    disgnóstico    epilepsia    inter de milão   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.